back to top

22 motivos pelos quais Belo Horizonte merece ser seu próximo destino turístico

O clássico BBB: bom, bonito e barato.

publicado

Conhecia por receber a visita do Papa João Paulo II, a praça recebeu um monumento para lembrar o ilustre passageiro e é hoje um dos espaços mais democráticos da cidade. Durante o dia, crianças, atletas e vendedores ambulantes dividem espaço. Já durante a noite, a turma é predominantemente jovem, de diversos estilos. O que une todos é com certeza a bela vista do local. Saiba mais aqui.

Junte uma ótima localização, um belo histórico e bons e diversos bares e você vai ter o Maletta. Point de escritores, boêmios, artistas e intelectuais desde sua construção, o espaço traz bares, restaurantes, livrarias e sebos. Tem tanta história que a "Cantina do Lucas" foi até tombada pelo Patrimônio Histórico-Cultural de Belo Horizonte. Veja mais aqui.

Quem vê a kombi da Cantina Daspu acha que é mais um food truck invadindo a cidade. Ledo engano: a kombi reformadinha com desenhos hipsters na verdade é uma versão modernizada da Fiorino que serve lasanhas e pizzas há 17 anos na avenida Afonso Pena. O nome é uma referência às profissionais que trabalham nas proximidades e foi aderida pelo dono com muito orgulho. Melhor que isso só o precinho amigo e o delicioso sabor do molho de tomate que recheia a lasanha. Saiba mais aqui.

Construída na época da fundação da nova capital mineira em 1895, a praça está localizada no ponto mais alto da cidade e abrigava o governo mineiro e suas secretarias. Atualmente é um circuito cultural composto de diversos museus. A praça em si tem espelhos d'água, chafarizes, palmeiras, coreto e um lindo jardim. A beleza é tanta que a área foi tombada em 1977 pelo IEPHA. Saiba mais aqui.

À primeira vista, o Museu de Artes e Ofícios não parece nada de mais. Uma estação ferroviária restaurada que fala sobre profissões. Mas não se deixe enganar: o espaço gigante é tão rico que você pode passar horas observando objetos, roupas e até os cenários que reproduzem espaços de trabalho como mercearia, cozinhas e farmácias antigas. Saiba mais aqui.

Dentre os vários museus e centro culturais da Praça da Liberdade, o Centro Cultural Branco do Brasil é um dos maiores destaques. O prédio que abriga o CCBB foi construído em 1926 e em 2009 passou a sediar o centro cultural que conta com uma extensa programação de exposições, peças, shows e cursos. De quebra, ainda possui um delicioso restaurante e café em seu pátio central. Veja mais aqui.

Um dos cartões postais de BH, o Viaduto Santa Tereza foi construído em 1929, e projetado pelo engenheiro Emílio Baumgart. Conhecido no brasil todo pelo livro “Encontro Marcado”, de Fernando Sabino, o viaduto é o portal de entrada para o bairro de Santa Tereza, reduto de boemia que catapultou para o Brasil nomes como Milton Nascimento, Skank e Sepultura. Atualmente, a parte inferior do viaduto recebe diversos eventos e festivais e aos domingos a parte de cima fica fechada para esporte e lazer. Saiba mais aqui.

Com 101 metros de altura e revestida com aço inoxidável, a Torre Alta Villa conta com uma vista de 360° da cidade de Belo Horizonte e cidades vizinhas, além das montanhas de Minas. Um pouco mais distante da região central da cidade, vale para quando tiver um pouquinho mais de tempo. Veja mais aqui.

Construído em 1929, o mercado municipal de Belo Horizonte possui mais de 400 lojas que vão de artesanato até ração para animais, passando por belíssimos queijos e restaurantes típicos, além de um posto de informações bilíngue para quem quer desbravar a cidade. Veja mais aqui.

O complexo arquitetônico de Oscar Niemeyer não é nem de longe tão grandioso quanto Brasília, porém tem seu charme. Composto pela Igreja de São Francisco, o Museu de Arte Moderna e uma Casa do Baile, guarda pequenos tesouros como uma pintura de afrescos e azulejos de Cândido Portinari, esculturas de Ceschiatti, Zomoiski e José Pedrosa, um painel de Paulo Werneck e o paisagismo de Roberto Burle Marx. São 18 quilômetros para se deleitar. Veja mais aqui.

Sempre confundido com uma igreja, o prédio que sedia o Centro de Referência de Moda, em estilo manuelino, foi construído em 1914. No espaço, debates, estudos, desfiles, exposições, seminários e cursos fazem alegria de quem gosta moda. Veja mais aqui.

A cidade que transpira a história do Brasil é quase que destino obrigatório para quem vai até Belo Horizonte. Localizada a 98 km da capital, pode ser um destino para amantes de arte sacra e história ou simplesmente para boêmios e animados - a cidade repleta de repúblicas, bares e restaurantes não desaponta ninguém. Saiba mais aqui.

Mariana foi a primeira vila, cidade e capital do estado de Minas Gerais. Além de grande patrimônio arquitetônico do Barroco produzido durante o Brasil Colonial conta com grande turismo ecológico. Após o desastre da mineradora Samarco, a cidade localizada a 117 quilômetros de BH, se tornou mais carente de visita ainda, afinal lembrar é preciso. Veja mais aqui.

Localizado no cidade de Brumadinho, a 55 quilômetros de Belo Horizonte, o Centro de Arte Contemporânea Inhotim é considerado o maior museu de arte contemporânea a céu aberto do mundo e uma das experiências mais intrigantes e emocionantes que você pode ter na vida. Além dos maravilhosos pavilhões e obras de arte, o centro conta com um paisagismo exuberante e cheio de espécies raras. Saiba mais aqui.

Situada a 70 quilômetros de Belo Horizonte, Congonhas é famosa pela grande quantidade de obras de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, incluindo as icônicas imagens dos doze profetas em tamanho real que estão localizadas no Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Saiba mais aqui.

Cidade onde está localizada a "Gruta da Lapinha" fica a 48 quilômetros de Belo Horizonte. Além da gruta, a cidade conta com diversos fósseis, que fazem parte do Museu Arqueológico e também o Parque de Material Aeronáutico. Ótimo para um bate e volta. Saiba mais aqui.

Localizada a 100 quilômetros de Belo Horizonte, logo depois da cidade de Lagoa Santa, a Serra do Cipó é um dos conjuntos naturais mais exuberantes do mundo que data do período pré-cambriano, com suas rochas arenosas que foram formadas há mais de 1,7 bilhão de anos. São ao todo cem mil hectares de cerrados, campos rupestres e matas, além de rios, cachoeiras, cânions, cavernas e sítios arqueológicos preservados. Veja mais aqui.

A Estrada Real é a maior rota turística do país e passa por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Surgiu em meados do século 17, quando a Coroa Portuguesa decidiu oficializar os caminhos para o trânsito de ouro e diamantes de Minas Gerais até os portos do Rio de Janeiro. São quatro caminhos que você pode percorrer: o Velho, o Novo, dos Diamantes e Sabarabuçu. Veja mais aqui.

22. Rua do Amendoim

Instagram: @cristiano

E claro, não poderia ficar de fora a Rua do Amendoim, onde o carro "sobe" sozinho, graças a uma ilusão de ótica. Entenda mais aqui.

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss