back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Moro reconhece erro em liberar áudio que virou símbolo da crise política

Caso envolve o famoso áudio do Bessias. Sobre levantamento do sigilo da conversa entre Lula e a então presidente Dilma, juiz admitiu que "possa eventualmente ter errado" porque competência era do STF.

publicado

Na sentença que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão, o juiz Sergio Moro reconheceu erro em liberar o áudio da conversa entre o petista e a então presidente Dilma Rousseff em março do ano passado.

O episódio do áudio do Bessias – em que Dilma diz que está mandando o assessor Jorge Messias a Lula com o termo de posse como ministro, para ser assinado em caso de necessidade – que se tornou crucial na escalada da crise que culminou com o impeachment.

No final da conversa, Lula se despede da interlocutora com a expressão "tchau, querida", que foi repisada na votação do impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados.

Na sentença, Moro primeiro defende que o Poder Judiciário não deve ser o "guardião de segredos sombrios dos governantes do momento", mas reconhece que o levantamento do sigilo de uma conversa envolvendo a presidente cabia ao Supremo Tribunal Federal.

"Ainda que, em respeito à decisão do Supremo Tribunal Federal, este julgador possa eventualmente ter errado no levantamento do sigilo, pelo menos considerando a questão da competência, a revisão de decisões judiciais pelas instâncias superiores faz parte do sistema judicial de erros e acertos", escreveu Moro, relativizando o caso.

Mais tarde, uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) invalidou o conteúdo dos grampos por envolver a então presidente.

Os áudios de Lula vieram à tona em 16 de março do ano passado, poucos dias depois de sua condução coercitiva e tiveram um forte impacto político.

A conversa foi interceptada cerca de 90 minutos depois que um despacho do próprio Moro encerrava a autorização da PF para grampear o ex-presidente. E o sigilo foi levantado na mesma tarde.

Ao sugerir uma possível obstrução de Justiça, o áudio do Bessias alimentou a maior manifestação de rua ocorrida contra Dilma até então, no final de semana seguinte, e ajudou a abater a nomeação de Lula para a Casa Civil.

A citação ao episódio do grampo não foi gratuita. Moro referiu-se a ele para rebater o argumento da defesa do ex-presidente de que o devido processo legal havia se tornado uma "guerra jurídica"contra Lula.

"A interceptação telefônica por menos de trinta dias em investigação complexa e o levantamento do sigilo sobre o conteúdo das interceptações, ainda que se possa questionar este último pela questão da competência, não é nada equivalente a uma 'guerra jurídica'", escreveu Moro, nesta quarta (12).

"Watergate"

No despacho que tornou públicas as conversas naquele dia 16 de março de 2017, o juiz afirmou que a publicidade sobre as conversas telefônicas do ex-presidente permitirá o "saudável escrutínio público" sobre a administração pública.

No texto, o magistrado comparou o caso com o Watergate, o escândalo que culminou na queda do presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, em 1974.

A comparação tinha uma imprecisão histórica: Lula e Dilma foram grampeados no curso de uma investigação, enquanto Nixon gravava pessoalmente as próprias conversas e foi obrigado a liberá-las para investigação do caso Watergate.

Veja também:


Lula é condenado a 9 anos e 6 meses de prisão no processo do tríplex

Não, a condenação de Moro ainda não tira Lula da disputa pela Presidência em 2018

Dilma diz que condenação de Lula é "escárnio"



Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.