back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

30 fotos que mostram a loucura que era a vida noturna de Nova York nos anos 90

O fotógrafo Steve Eichner tinha acesso exclusivo a algumas das festas mais badaladas da cidade. Fotos reunidas pela Getty Images.

publicado

Durante os anos 1990, o fotógrafo Steve Eichner documentou a loucura que rolava nas baladas e na vida noturna de Nova York. Ele tinha acesso exclusivo a algumas festas, pois trabalhava para Peter Gatien, então considerado o "rei das boates de Nova York" e que era proprietário dos famosos Limelight, Club USA, Palladium e Tunnel.

Eichner conversou com o BuzzFeed News sobre suas experiências nas festas mais badaladas de Nova York nos anos 1990:

Após minha formatura, me mudei para Manhattan e, por meio da cena musical, acabei atraído para a vida noturna de Nova York. Havia tanta cor, animação e energia — era fácil, bastava aparecer com a minha câmera e documentar aquela explosão todas as noites.

Era tudo o que você pode imaginar. De consumo de drogas a sexo em qualquer canto, vi de tudo. Todo mundo era menos reservado. Eles só queriam diversão. Ninguém estava tirando selfies ou fingindo alguma coisa. Nova York era acessível e pessoas de todos os tipos festejavam juntas: artistas, banqueiros, celebridades, drag queens, músicos e poetas. A energia fluía. Sempre havia algo inesperado.

Todos os dias da semana tinha uma boate para ir. A festa não tinha fim. Os clubbers se "fantasiavam" e faziam a festa. Era muito mais animado. Havia espaços VIP, mas o negócio de serviço de bar por garrafa ainda não era utilizado. Era muito mais sobre como você se vestia e se você era divertido, o dinheiro não importava. Se você estivesse na panelinha, não pagava a entrada ou as bebidas. Acho que isso não existe mais hoje.

Eu trabalhava com a assessoria de imprensa, tirando fotos das celebridades e dos eventos e depois enviando as imagens para os jornais e as revistas, fazendo assim a divulgação da casa. E também ficava de plantão, então se uma celebridade aparecesse às 3 horas da manhã, me bipavam e eu pegava minha câmera e corria para lá. Um caso desses foi em 1992 — meu bipe tocou, altas horas da madrugada. Vesti qualquer coisa e corri para o Club USA, para ver Julia Roberts e seu estilista na pista de dança. Fui até eles e tirei algumas fotos, mas o guarda-costas dela pediu que eu parasse. Foi o que eu fiz, mas o assessor de imprensa da boate disse: Você tem de tirar mais, garantir uma boa foto!

Voltei e tirei mais uma, foi quando o guarda-costas ficou irritado e me empurrou para longe da pista de dança. O assessor de imprensa ainda não estava contente, então subi em um camarote e coloquei minhas lentes de zoom. Tirei mais algumas fotografias antes de o guarda-costas perceber o que eu estava fazendo e começar a correr para me pegar. Na mesma hora, a Julia me viu e começou a gritar, apontando o dedo para mim: 'Não tire mais nenhuma MERDA de foto'. Eu fugi por uma porta lateral e saí correndo da boate.

Hoje, todos têm uma câmera no celular e podem se expor nas redes sociais, o que acaba deixando as pessoas mais preocupadas com a sua imagem. Não sei se isso é melhor ou pior, apenas é diferente. Antigamente, a fotografia era uma arte e uma ciência, parecia mais especial para mim. Eu aparecia com as fotos da noite anterior e era algo mágico. Os clubbers se reuniam ao meu redor e parecia que eu estava fazendo algo diferente e empolgante. Eu era tratado como um deus porque tinha uma câmera e sabia usá-la. Hoje todo mundo é seu próprio fotógrafo.

Veja mais fotos da vida noturna de Nova York nos anos 1990, tiradas por Eichner, no Getty Images e em seu site.

Este post foi traduzido do inglês.