back to top

21 dispositivos ultrassecretos do perigoso mundo da espionagem

Algumas coisas são mais estranhas do que nos filmes.

publicado

Desde 2002, o Museu Internacional da Espionagem, localizado em Washington, D.C. (EUA), abriga a maior coleção do mundo de engenhocas, itens históricos e memorabilia referentes ao perigoso mundo da espionagem internacional.

De batons-pistola a dispositivos de escuta em forma de cocô de cachorro, vamos dar uma passada pelos itens mais bizarros e fascinantes que estão em exibição atualmente.

1. Botão-câmera, modelo F-21, de cerca de 1970:

The International Spy Museum

Conhecida pelo codinome "Ajax", essa câmera oculta ficava camuflada em um casaco normal e foi muito utilizada na União Soviética, na Europa e nos EUA. O disparador da câmera ficava no bolso e, quanto ativado, tirava uma foto de uma lente que se assemelhava a um botão.

Publicidade

2. Cocô de cachorro-transmissor, de cerca de 1970:

The International Spy Museum

Esse transmissor secreto estava disfarçado da única coisa que ninguém quer tocar — cocô. Esse dispositivo foi adotado pela CIA durante a década de 1970 e transmitia um sinal de rádio para coordenar ataques e reconhecimentos aéreos.

3. Óculos com pílulas de cianeto, de aproximadamente 1975–1977:

The International Spy Museum

Nem todas as operações secretas saem como planejadas. Em caso de missão comprometida, um agente da CIA que optasse pela morte em vez da tortura poderia remover seus óculos e mastigar a perna da armação para tomar uma potente dose de cianeto.

4. Batom-pistola, de aproximadamente 1965:

The International Spy Museum

Esse batom de aparência comum foi projetado e utilizado pela KGB durante a Guerra Fria e era capaz de disparar uma bala letal de calibre 4,5 mm.

5. Tronco de árvore-escuta, do início dos anos 1970:

The International Spy Museum

Desenvolvido pela CIA, esse tronco de árvore era colocado perto de uma base soviética e utilizado para interceptar transmissões de rádio secretas. Os dados eram retransmitidos para a CIA via satélite.

6. Kit de ferramentas retal, dos anos 1960:

The International Spy Museum

Utilizado pela CIA, esse kit de ferramentas compacto foi desenvolvido para ser escondido dentro do ânus de um agente, para não ser detectado durante uma revista.

Publicidade

7. Pombo-câmera, de 1916–1917:

The International Spy Museum

O pombo-câmera alemão foi utilizado durante a Primeira Guerra Mundial para reconhecimento da posição dos inimigos. A câmera tinha um temporizador e os pássaros eram soltos para voarem sobre o campo de batalha. Ao retornarem, o filme era processado e os dados coletados eram implementados em estratégias de combate em tempo real.

8. Cantil de água explosivo, de 1942–1945:

The International Spy Museum

Durante a Segunda Guerra Mundial, alguns oficiais da inteligência do exército norte-americano carregavam esse cantil que continha explosivos na parte inferior do frasco.

9. Carvão explosivo e camuflagem, de aproximadamente 1942–1945:

The International Spy Museum

Esse pedaço de carvão foi criado pela OSS (antecessora da CIA) dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Dentro de seu cerne oco ficava um explosivo e o dispositivo era acompanhado por um kit de camuflagem para pintar o pedaço da cor exata do carvão local. Se um ingênuo inimigo colocasse-o no fogo, o carvão explodiria.

11. Moeda oca, dos anos 1950–1990:

The International Spy Museum

Moedas ocas são bastante comuns na espionagem, servindo como depósito clandestino para microdots (páginas de texto reduzidas centenas de vezes) e microfilmes. A moeda é aberta por meio da inserção de uma agulha em um minúsculo buraco na sua face.

Publicidade

12. Sapato com transmissor no salto, dos anos 1960–1970:

The International Spy Museum

Esse sapato foi roubado de um diplomata norte-americano pelo Serviço Secreto romeno. Ele era equipado com um microfone e um transmissor.

13. Relógio de pulso-câmera (Steineck ABC), de aproximadamente 1949:

The International Spy Museum

Desenvolvido na Alemanha Ocidental, essa câmera minúscula ficava no pulso do agente e era capaz de tirar oito fotos. Como a câmera não possuía um visor, tirar uma boa foto era algo bem difícil.

14. Câmera Tessina oculta em porta-cigarros, dos anos 1960:

The International Spy Museum

O que, à primeira vista, parece um pacote de cigarros chique era, na verdade, uma câmera escondida desenvolvida pela Stasi alemã durante os anos 1960. O agente conseguia fumar e secretamente tirar fotos ao mesmo tempo.

Publicidade

17. Caneta-gazua, dos anos 1970:

The International Spy Museum

Essa caneta foi adotada pelos Serviços de Inteligência norte-americanos e continha todas as ferramentas necessárias para abrir a fechadura de uma porta comum.

18. Botas de fuga, de 1939–1945:

The International Spy Museum

Essas botas eram utilizadas pelos pilotos britânicos da MI9 e ajudavam os pilotos abatidos a se misturar em meio à população local após a retirada da parte superior do calçado.

19. Arma de gás letal, dos anos 1950:

The International Spy Museum

Desenvolvida pela KGB, essa arma foi utilizada pelo agente soviético Bogdan Stashinsky para assassinar dois dissidentes ucranianos disfarçando-a com um jornal.

20. Kit para cópia de chaves, dos anos 1960:

The International Spy Museum

Esse kit era entregue aos agentes da CIA e foi concebido para copiar chaves. O agente fazia um molde na massa para conseguir uma cópia da original.

21. Caneta com dispositivo incendiário, de 1943-1945:

The International Spy Museum

Adotada pela Agência de Serviços Estratégicos dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, essa engenhoca disfarçada de porta-canetas continha um dispositivo incendiário com temporizador que permitia a fuga do agente antes de sua detonação.

Este post foi traduzido do inglês.

Em parceria com