back to top

Ataques do Estado Islâmico matam ao menos 44 cristãos no Egito

Grupo terrorista assumiu autoria dos atentados, que atingiram duas igrejas ortodoxas. Um dos ataques ocorreu no momento em que o papa da Igreja Ortodoxa Copta chegava ao local — ele não se feriu.

publicado

Fortes explosões atingiram duas igrejas cristãs ortodoxas no norte do Egito, deixando ao menos 44 pessoas mortas e mais de 100 feridas, neste Domingo de Ramos (9). O Estado Islâmico rapidamente assumiu a autoria do atentado.

Os ataques tiveram como alvo congregações de cristãos coptas na segunda maior cidade egípcia, Alexandria, e na cidade de Tanta, no delta do rio Nilo.

Ao menos 27 pessoas morreram e 78 ficaram feridas com a primeira explosão, na Igreja Copta de St. George, em Tanto, segundo relatos do vice-ministro da Saúde à mídia estatal do Egito.

Horas depois, uma segunda explosão na Igreja Copta de St. Mark, na Alexandria, deixou 17 pessoas mortas e ao menos 48 feridas. No momento da explosão o papa Teodoro II — representante da igreja ortodoxa — chegava ao local. Auxiliares dele disseram depois que ele saiu do local sem ferimentos.

Horas após os ataques, o presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, declarou Estado de emergência e enviou tropas militares para auxiliar a polícia na proteção dos prédios mais importantes no país.

Apesar de a declaração de Estado de emergência não ser incomum no Egito, a decisão não é popular. Em 2013, o então presidente Mohamed Morsi — posteriormente deposto — declarou um mês de Estado de emergência que aumentou o poder da polícia para prender manifestantes.

Além disso, o Estado de emergência declarado por Hosni Mubarak, que durou quase 20 anos, foi um dos fatores que contribuiu para a Primavera Árabe em 2011.

A decisão tem significados diferentes a depender do contexto, mas, de maneira geral, aumenta o poder do governo e das autoridades policiais para implementar leis de segurança e para acelerar os processos judiciais.

Ataques contra civis são raros na região do vale do Nilo — eles são mais comuns na volátil região do delta do Sinai. Apesar de o Estado Islâmico declarar autoria de quase todos os atos de terror no mundo, o envolvimento do grupo com essa parte do mundo torna mais crível a declaração.

Publicidade

Vídeos exibidos pela TV egípcia mostram o momento da explosão em Tanta. No trecho, um coral de sacerdotes vestidos de túnica branca se apresenta quando um apagão repentino é seguido de gritos e cenas de sangue nas paredes.

Outro vídeo mostra o momento em que um homem-bomba em Alexandria explode o artefato em seu corpo. O ataque ocorreu quando ele tentava entrar no local sem passar pelo detector de metais, após um segurança chamar sua atenção.

Its Palm Sunday. Copts in #Egypt head to Mar Gerges Church in #Tanta to pray. And then terrorism hits. At least 21… https://t.co/YKfFPMyfZx

Os ataques de domingo foram os últimos de uma série de ofensivas de radicais islâmicos aos cristãos ortodoxos no Egito. Os cristão copta representam cerca de 10% da população egípcia, aproximadamente 92 milhões de pessoas.

Ataques contra cristãos ortodoxos crescem no Egito desde 2013, quando as Forças Armadas depuseram um presidente eleito islamita.

#Egypt: Footage shows aftermath of bomb blast in Alexandria, outside St. Mark's Coptic church, dozens injured.

Este post foi traduzido do inglês.

Fiona Rutherford is a reporter for BuzzFeed News and is based in London.

Contact Fiona Rutherford at fiona.rutherford@buzzfeed.com.

Ema O'Connor is a politics reporter for BuzzFeed News and is based in Washington, DC.

Contact Ema O'Connor at ema.oconnor@buzzfeed.com.

Borzou Daragahi is a Middle East correspondent for BuzzFeed News and is based in Istanbul.

Contact Borzou Daragahi at borzou.daragahi@buzzfeed.com.

Alicia Melville-Smith is a homepage editor and reporter for BuzzFeed News and is based in London.

Contact Alicia Melville-Smith at alicia.melville-smith@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.