go to content

Renan recebeu R$ 500 mil de propina e reclamou que era pouco, diz delator

Ex-executivo da Odebrecht em Alagoas, Ariel Parente disse aos investigadores que tratou pessoalmente de propina com Renan e que ele ficou irritado com o valor oferecido. Senador não comentou.

publicado

Um dos executivos da Odebrecht que atuava em Alagoas disse em sua delação premiada que tratou pessoalmente sobre propina com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) em 2010 e que o peemedebista reclamou que R$ 500 mil era pouco dinheiro.

O codinome do senador na lista de políticos suspeitos de receber suborno da empreiteira era "Justiça".

Trata-se da delação de Ariel Parente, funcionário da Odebrecht desde a década de 1970. Ele contou aos investigadores que Renan Calheiros ficou irritado na conversa sobre a propina, ao ser comunicado que a Odebrecht teria liberado R$ 500 mil em dinheiro vivo para o senador usar em sua campanha em 2010.

“Ele achou pouco o valor”, disse o delator aos investigadores ao explicar o motivo da insatisfação de Renan.

O encontro, de acordo a delação de Ariel, foi em Maceió. Em 2010, Renan era candidato ao Senado e, seu filho, à Câmara. A dupla foi eleita. Ariel contou ainda aos investigadores que a conversa ficou num impasse, em razão da discordância do valor.

Renan queria mais. Ariel, contudo, não tinha autorização para oferecer nada além dos R$ 500 mil.

Foi então que Ariel decidiu acionar Cláudio Melo Filho, outro diretor da Odebrecht que fez delação. Melo era o homem forte da empreiteira em Brasília, sobretudo com parlamentares do PMDB.As delações de Ariel e Cláudio Melo se complementam. A delação de Melo, relevada pelo BuzzFeed Brasil, diz que o valor final ficou em R$ 500 mil, pagos em duas parcelas, nos dias 10 de agosto e de setembro de 2010.

Isso foi o que disse o ex-executivo Cláudio Melo Filho sobre o episódio:

“Em 2010, como consta da planilha entregue pela minha empresa ao Ministério Público, ocorreu uma contribuição financeira a Renan Calheiros, com codinome “justiça”. Apesar de me recordar desse fato e de o meu nome constar na referida planilha, não fui eu quem tratou com o Senador desta contribuição específica. Na planilha consta como responsável pelo pagamento Ariel Parente, tendo sido aprovada pelo DS João Pacífico”.

Além dos depoimentos, os delatores levaram documentos para comprovar o pagamento a Renan. Uma das provas oferecidas aos investigadores era o registro do chamado “setor de operações estruturadas” da Odebrecht, um nome pomposo para o departamento de propinas da empreiteira.

Procurada, a assessoria de Renan Calheiros não respondeu aos questionamentos sobre a delação de Ariel Parente.

Em outras ocasiões em que falou sobre a delação da Odebrecht, Renan disse que nunca autorizou ou credenciou qualquer pessoa a usar seu nome. Disse ainda que ele jamais recebeu vantagens de quem quer que seja. Destacou também que todas as contas eleitorais e pessoais do senador são regulares e com recursos de origem conhecida.

Veja também:

Estes são alguns dos políticos na Lista de Janot 2.0 que foram delatados pela Odebrecht

Este é pulo do gato de Janot para tentar mandar à prisão quem usou caixa dois

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.