back to top

Estas são as provas oferecidas pela Odebrecht nos casos com Temer

Além dos depoimentos, a empreiteira ofereceu documentos e citou testemunhas que podem corroborar o conteúdo das acusações. O presidente, que não é alvo de investigação, diz que os delatores mentem.

publicado

A Procuradoria-Geral da República definiu que Michel Temer, enquanto for presidente da República, terá uma "imunidade temporária" para não ser investigado. Mas isso não impediu a Odebrecht de fazer duras acusações contra ele.

As delações contra Temer podem ser resumidas em dois episódios: propina em contrato da Petrobras e caixa dois em 2014.

Assim a PGR resumiu a participação de Temer nos esquemas:

"Como se verá, a narrativa dos colaboradores e os elementos de corroboração apontam para a obtenção ilícita de recursos para o grupo político capitaneado por MICHEL TEMER que, atualmente, ocupa o cargo de presidente da República".

Além dos depoimentos, a Odebrecht apresentou as seguintes provas:

Episódio 1 - Os US$ 40 milhões acertados com Eduardo Cunha e "abençoado" por Temer

Em 2010, a Odebrecht diz que acertou um percentual de propina em troca da garantia de obter contrato de US$ 480 milhões na área ambiental da Petrobras. E, para isso, reuniu-se com a cúpula do PMDB, incluindo Temer. Para a empreiteira, a presença de Temer, mesmo sem falar abertamente de propina, foi uma maneira de "abençoar" o negócio.

Sobre o encontro, a Odebrecht apresentou as seguintes provas.

Esse e-mail citando o encontro, com o endereço:

Publicidade


Os delatores, contudo, dizem que não foi falado explicitamente em propinas ou valores. Apenas em manter os "compromissos" com o PMDB. Aqui, o delator Márcio Faria fala do encontro.

Um investigador pergunta: "Ficou claro que era vantagem indevida?"

Faria crava: "Totalmente vantagem indevida, doutor, porque era um percentual em cima de um contrato. Ninguém falou em diretório municipal, estadual, nada. Era um per-cen-tual de um contrato".

Vá ao minuto 3:43 para ver ele explicando da propina.

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com

Em um vídeo em que se defende, Temer negou o acerto de propina, mas admitiu que "é fato que participei de uma reunião com o representante de uma das maiores empresas do país."

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com
Publicidade

A Odebrecht apresentou ainda um cronograma de pagamentos.

E tem, ainda, os extratos de pagamentos fora do país.

A Procuradoria-Geral da República tem elementos para afirmar que boa parte desse dinheiro foi operado por Cunha e João Augusto e, agora, deve apurar para quem eles distribuíram os valores.

Episódio 2 - Caixa dois na campanha de 2014

Reunião no Palácio do Jaburu em maio de 2014, entre Michel Temer e Marcelo Odebrecht, acertou R$ 10 milhões para o PMDB, incluindo caixa dois. Parte foi para a campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo_ em especial, a Duda Mendonça, seu marqueteiro. O resto ficou para Moreira Franco e Eliseu Padilha, atuais ministros de Temer, distribuírem.

De novo, Temer admitiu a reunião, mas disse que só falou de doações eleitorais.

Vale dizer que há uma divergência. O delator Cláudio Melo Filho afirma que a conversa foi explícita, com a presença de Temer no acerto de dinheiro de caixa dois. Marcelo Odebrecht, na Justiça Eleitoral, disse que o presidente não estava na mesa nesse momento da conversa.

Mas a principal prova vem de um amigo próximo de Temer, o o advogado e ex-assessor do Planalto José Yunes.

Primeiro, esse registro da Odebrecht coloca um endereço dele como destino da entrega de dinheiro vivo.

O mais grave é que Yunes admitiu que, de fato, recebeu um "pacote" em seu escritório, que depois foi recolhido. Ele se classificou de "mula" e contou tudo que sabia à Lava Jato. Quem deixou o dinheiro, segundo Yunes, foi Lúcio Funaro, operador financeiro ligado a Eduardo Cunha.

A revelação de que Yunes havia recebido parte dos recursos destinados ao PMDB, após a reunião entre Temer e Marcelo Odebrecht, foi feita pelo BuzzFeed Brasil em dezembro do ano passado. Leia aqui.

Há mais. A outra parte, vale lembrar, era para o marqueteiro de Paulo Skaf. Esse e-mail da Odebrecht fala de um valor de R$ 4 milhões que ˜PS" devia a DM.

Essas são as siglas de Paulo Skaf e Duda Mendonça.

Repare que há um aviso de CMF a MT.

Seria um recado de Cláudio Melo Filho, da Odebrecht, a Michel Temer.

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.