back to top

Ex-governador de MS preso já tinha sido delatado por propina de R$ 114 milhões

De acordo com a delação da JBS, André Puccinelli (PMDB) cobrava propina em troca de isenções fiscais.

publicado

Preso nesta terça-feira (14), o ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli (PMDB) foi um dos alvos da delação do frigorífico JBS, dos irmãos Wesley e Joesley Batitsta.

Puccinelli é o principal nome da quinta fase da operação Lama Asfáltica. Ele foi preso em caráter preventivo, quando não há data para sair da prisão.

A operação começou investigando esquema de desvios em obras de pavimentação, com o apoio de auditores da Controladoria-Geral da República e servidores da Receita Federal.

Assim como ocorreu no Rio de Janeiro, com a Lava Jato, a investigação descobriu outras frentes de desvios em Mato Grosso do Sul.

Uma delas era relativamente simples: o governo dava isenções fiscais e as empresas, em troca, devolviam um percentual como propina.

Foi assim que surgiu o nome da JBS na operação. O caso era especialmente importante para o grupo, uma vez que a produção dos frigoríficos da JBS em Mato Grosso do Sul é relevante para a operação da empresa no país.

Ao longo da investigação, contudo, os irmãos Batista acabaram fazendo delação e admitiram participação no esquema. Wesley Batista disse que a JBS pagou um total de R$ 150 milhões em propina, entre 2007 e 2016.

De acordo com o delator, Puccinelli recebeu cerca de R$ 114 milhões de propina, sendo cerca de R$ 24 milhões em notas frias e o resto foi em dinheiro espécie (R$ 30 milhões) e doleiros (R$ 60 milhões).

"Eu não conhecia as empresas. As notas fiscais eram entregues e eu mandava pagar", disse Wesley Batista em depoimento.

O esquema, contudo, era mais longevo. Wesley Batista disse que começou no governo de Zeca do PT, no início dos anos 2000, passou por Puccinelli (PMDB) e chegou a 2016, com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Veja também:

PF prende ex-governador de MS por suspeita de propina

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.