back to top

Este é o áudio em que o marqueteiro de Temer acerta emissão de uma nota fria para campanha no exterior

Em 2008, o publicitário Elsinho Mouco fazia campanha no Paraguai quando foi flagrado pela PF pedindo R$ 1,2 milhão a empresário

publicado

O marqueteiro do presidente Michel Temer, Elsinho Mouco, foi flagrado em conversa telefônica gravada pela Polícia Federal tratando de emitir notas fiscais diretamente para uma empresa para cobrir despesas de campanha. Na conversa, o interlocutor deixa claro que se tratava de "prestação de serviço hipoteticamente".

O ano era 2008 e Elsinho Mouco atuava na campanha do general Lino Oviedo, no Paraguai. A conversa é de março (escute abaixo) e a eleição ocorreu no mês seguinte _ ele acabou derrotado. O general morreu em 2013, em um acidente de helicóptero.

Elsinho não era investigado pela Polícia Federal. Mas foi flagrado pedindo dinheiro de campanha para o empresário brasileiro Chico Ramos, da Agrenco. Ele foi alvo de interceptações na operação Influenza, que investigava suspeitas de fraudes no Porto de Itajaí.

No relatório obtido pelo BuzzFeed, os agentes da PF não fazem juízo de valor acerca da conversa. Eles apenas resumem o teor do diálogo:

Na conversa, Elsinho Mouco pede R$ 1,2 milhão para a campanha do general. Ele diz ainda que o valor é "abaixo da cota". O diálogo mostra que o marqueteiro iria emitir diretamente para a empresa uma nota fiscal em troca da verba de campanha. No Brasil, esse tipo de situação pode ser considerada caixa dois.

Chico Ramos, por sua vez, disse que iria levar a proposta a seus superiores, mas vinha enfrentando resistência.

Um trecho da conversa chama atenção. Elsinho, que faz a ligação direto do Paraguai, sugere ao empresário emitir uma nota fiscal contra a empresa. Ou seja, como se Elsinho prestasse um serviço a Chico Ramos. O empresário então responde:

Chico Ramos - Mas era uma empresa de publicidade sua?

Elsinho - Era, é de uma agência de publicidade minha, a Kalía.

Chico Ramos - É porque (inaudível) uma proposta do general em si, sobre o que podia ser feita ou não.

Elsinho - Ali é a proposta que dá para ser feita, prestação de serviços aí mesmo (no Brasil) né?

Chico Ramos - Prestação de serviço hipoteticamente falando né?

Elsinho - Exato.

Atual marqueteiro de Temer, Elsinho estava em Assunção, no Paraguai, quando se deu a conversa. Durante a eleição, ele deu uma entrevista à Folha sobre sua proximidade com o general paraguaio. "Minhas filhas o chamam de tio", disse.

Ele também relatou que Lino Oviedo tinha intenção de fazer mais negócios com empresas brasileiras. "Quem votar em Oviedo saiba que quem vai financiar a infra-estrutura paraguaia são os investimentos brasileiros".

O BuzzFeed procurou Elsinho Mouco pelo celular, enviou e-mail para sua firma e mandou mensagens de texto, mas não obteve retorno. Chico Ramos não foi localizado.

Veja também:

O que acontece agora que Janot acusou Temer de corrupção ao STF

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.