back to top

Assessor "informal" de Temer cobrou propina por indicação para Furnas, diz delator da Odebrecht

De acordo com delator, o ex-deputado Sandro Mabel fez parte de um acerto de R$ 10 milhões para garantir nome na estatal. Mesmo sem cargo, Mabel ocupou sala no Planalto.

publicado

Assessor informal do presidente Michel Temer, o ex-deputado Sandro Mabel é acusado por um delator da Odebrecht de integrar um acordo partidário de R$ 10 milhões para garantir um nome de interesse da empreiteira em Furnas em troca de propina.

Trata-se da delação de Henrique Valladares, ex-executivo da Odebrecht que contou aos procuradores sobre os acertos no projeto multibilionário da usina de Santo Antônio, em Rondônia. Como o BuzzFeed revelou, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Valdir Raupp (PMDB-RO) são citados na mesma obra – eles negam as acusações.

Segundo Valladares, Sandro Mabel e o ex-deputado Valdemar Costa Neto acertaram com a Odebrecht a manutenção de um nome na diretoria em Furnas, em 2008, em razão da obra na usina.

Costa Neto, naquele momento, já era réu no mensalão (foi condenado em 2012), mas seguia como uma espécie de "dono" do PR, o Partido da República. Mabel, por sua vez, já foi líder do partido.

Atualmente, ele é filiado ao PMDB e é assessor informal do Palácio do Planalto. Ele não ocupa uma vaga comissionada, mas já chegou a ter sala no Planalto.

A delação afirma que Mabel e Costa Neto cobraram para manter Mário Rogar na diretoria de Engenharia de Furnas.

Rogar levava o apelido de "Tricolor" nas planilhas da Odebrecht e, segundo o delator, era o responsável por distribuir o dinheiro aos deputados. Ele deixou o cargo em 2011, por ordem da então presidente Dilma Rousseff.

Valladares afirma que o acerto de R$ 10 milhões foi uma espécie de orçamento liberado pela Odebrecht, que ia sendo gasto conforme a necessidade de resolver impasses em Furnas com os deputados.

Procurado, o ex-deputado Valdemar Costa Neto disse que não comenta casos que estão na Justiça. Mário Rogar e Sandro Mabel não foram localizados pelo reportagem. Em nota, a Odebrecht disse que "não se manifesta sobre o teor de eventuais depoimentos de pessoas físicas, mas reafirma seu compromisso de colaborar com a Justiça". "A empresa já adota as melhores práticas de compliance, baseadas na ética, transparência e integridade", completa a empreiteira.

Veja também:

Delator da Odebrecht diz que dinheiro vivo foi entregue em escritório de amigo de Temer

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.