back to top

Entenda mais sobre a nova espécie humana que foi descoberta recentemente

Uma antiga espécie humana descoberta na África do Sul chocou os paleontólogos com uma mistura de características antigas e modernas. Os pesquisadores estão fortemente divididos sobre a idade da nova espécie, bem como exatamente como ela se encaixa na árvore genealógica humana.

publicado

Fósseis de uma espécie humana extinta recém-descoberta surgiram das profundezas em uma caverna sul-africana. Um poço pré-histórico intencionalmente repleto de milhares de ossos foi descoberto no local.

Encontrados dentro da caverna Rising Star da África do Sul, esses primos humanos recém-descobertos foram apelidados de Homo naledi (nuh-LEE-dee), significando "Homem Estrela" na língua local Sotho, pela equipe de descoberta liderada pelo paleontólogo Lee Berger da Universidade de Witwatersrand da África do Sul.

Berger anunciou formalmente a descoberta na quinta-feira de manhã, em uma cerimônia do governo sul-africano.

"Esta é a primeira vez que encontramos fósseis humanos sozinhos em uma câmara como esta na África", disse Berger em uma chamada de imprensa na quarta-feira. Expedições de espeleologia em 2013 e 2014 recuperaram cerca de 1.550 fósseis de uma pequena câmara de pedra a cerca de 100 pés no subterrâneo, ele disse.

O poço de câmara — localizado na parte inferior de uma rampa da caverna fina e longa com apenas 7,5 polegadas de largura em alguns lugares — rendeu a ossada remanescente de talvez 15 pessoas, desde crianças a adultos, descrita em dois artigos na revista eLife.

"Em uma palavra, eles são estranhos", disse ao BuzzFeed News o paleoantropólogo Bernard Wood, da Universidade George Washington, que não esteve envolvido na descoberta.

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com
Publicidade

Wood aponta que as espécies extintas ostentavam uma mistura de características que se parecem com os humanos modernos, tais como dentes pequenos e pés achatados, e características mais antigas, incluindo uma pélvis simiesca e testa proeminente.

Isso deixa os pesquisadores perplexos sobre onde a nova espécie se encaixa na árvore genealógica humana, disse Wood. "É uma espécie de um caso de Sherlock Holmes onde elas pertencem na evolução humana".

Baseado nos pés de aparência humana, o Homo naledi provavelmente caminhava como pessoas modernas, disse John Hawks, um coautor da equipe de estudo na Universidade de Wisconsin, Madison. Mas eles também provavelmente subiam em árvores como macacos, a julgar pela sua dos dedos curvados, caixas robustas e ombros simiescos, disse ele. A equipe estima que pesava cerca de 90 a 120 libras quando adultos.

O mistério se aprofunda pela incapacidade dos cientistas em dizer exatamente quando a espécie recém-descoberta viveu. A argila revestindo o fundo do poço da descoberta desafia as técnicas de cálculos de data que já existem. Com base em sua aparência, Berger disse que eles poderiam ter vivido tanto a 2,8 milhões de anos atrás como apenas a algumas dezenas de milhares de anos atrás.

O Homo naledi media menos de 5 pés de altura, e parece mais estreitamente relacionado com o Homo erectus ("Homem Ereto"), uma espécie de antecessor humano que viveu na África e na Ásia nos últimos 2 milhões de anos.

Mas as novas espécies tinham cérebros menores, cerca de um terço do tamanho dos humanos modernos. Isso é surpreendentemente pequeno para as criaturas que negociaram uma caverna profunda e escura e depositaram os corpos cuidadosamente em uma cova.

Art: Stefan Fichtel / Sources: Lee Berger and Peter Schmid / via National Geographic

A caixa craniana de um crânio masculino composto do H. naledi mede apenas 560 centímetros cúbicos de volume — menos da metade do crânio humano moderno retratado por trás dele.

Berger e seus colegas argumentam que as mãos e os pés humanoides da espécie levantam a possibilidade do Homo naledi ser um ancestral direto dos humanos modernos.

Mas muitos pesquisadores fora da equipe de descoberta disseram ao BuzzFeed News que os fósseis mais prováveis vieram mais tarde e adicionam a um quadro emergente da "árvore" familiar humana como mais um "arbusto", preenchido com pontas soltas emaranhadas — primos extintos, como os neandertais e o Homo naledi. "Eu ficaria surpreso se estes ossos tivessem mais de um milhão de anos", disse Wood.

O que é mais provável, de acordo com o paleontólogo Richard Potts, do Museu de História Natural de Smithsonian, em Washington, é que a espécie era uma população isolada de primos humanos primitivos, que encolheram em estatura e tamanho do cérebro semelhante ao da primitiva espécie humana de "hobbit" encontrada em 2003 na ilha indonésia de Flores, que viveu talvez a 88.000 anos atrás.

Outro paleontólogo, Tim White, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, disse ao BuzzFeed News que ele duvida que o Homo naledi ainda conte como uma nova espécie humana, e é mais provável que seja uma população de cérebro pequeno de Homo erectus, seja mais antigo ou mais recente. Ele achou a descrição da câmara e dos fósseis muito preliminar, uma visão compartilhada por outros pesquisadores.

"Realmente o trabalho está apenas começando — temos um monte de ossos aqui para olhar e mais perguntas do que respostas", o paleontólogo William Kimbel, da Universidade Estadual do Arizona em Tempe, disse à BuzzFeed News. "O local exato dessa espécie na evolução humana sempre será difícil de responder até que tenhamos uma idade para ela".

Em um comentário que acompanha os estudos de descoberta na eLife, o paleontólogo Chris Stringer, do Museu de História Natural de Londres, expressou frustração pela equipe de Berger não ter tentado a datação por radiocarbono, que teria sido capaz de dizer se os fósseis teriam pelo menos 50.000 anos de idade.

Em resposta, Berger disse que a datação por radiocarbono exigiria a destruição de alguns dos ossos e seria "antiético e talvez ilegal" até que a descrição do estudo fosse publicada. A equipe está agora começando a datação por radiocarbono, disse Paul Dirks da equipe de descoberta da James Cook University, na Austrália, e estudando novas técnicas de datação radioativa que podem render uma idade melhor e mais antiga.

Publicidade

A exumação da nova espécie foi acompanhada por uma grande publicidade ao longo dos últimos dois anos, provocando polêmica entre outros paleontólogos.

Após a descoberta de ossos na cova por espeleólogos em 2013, Berger recrutou uma equipe de seis mulheres com experiência em paleontologia e espeleologia. Eles fizeram grande parte da escavação e mapeamento da câmara em duas campanhas de escavação de um mês. A recuperação dos fósseis de espaços apertados pela equipe foi amplamente divulgada pela mídia e até transmitido on-line.

Em vez de dedicar anos para avaliar os fósseis e publicar relatórios sobre suas características em uma longa série de estudos, White reclamou que a equipe de descoberta tinha tentado publicar uma dúzia de artigos sobre a descoberta. Mas esse esforço levou à sua rejeição pela prestigiada revista Nature, um desrespeito amplamente discutido em paleontologia.

"Nós simplesmente não fomos capazes de fazer essa grande descrição de um conjunto de fósseis se 'encaixar' no formato da Nature", Berger disse à BuzzFeed News por e-mail. A equipe e os editores da revista, disse ele, "estavam ambos insatisfeitos com a tentativa de descrever o maior conjunto de hominídeos fósseis já descobertos na África em um artigo de 2.500 palavras".

Em vez disso, Berger e seus colegas publicaram o estudo na revista eLife, não uma revista de paleontologia típica, mas uma que publicou 35 páginas detalhando os fósseis e 37 páginas descrevendo a caverna.

"Nós não 'corremos' com esses papéis para a impressão", Berger acrescentou. "Eles representam dois anos de análise e dezenas de milhares de horas de esforço de nossa imensa equipe, algo que as equipes menores que trabalham apenas nas férias de verão simplesmente não pode replicar".

A publicação vem logo à frente de um documentário da NOVA e do National Geographic sobre o achado, Dawn of Humanity, que estreia na PBS em 16 de setembro e on-line em 10 de setembro. A descoberta também estrela na capa do mês de outubro da revista National Geographic. (Berger recebeu financiamento da National Geographic Society, bem como do governo sul-africano para o seu trabalho.)

"O exibicionismo parece ter chegado à frente da ciência", White escreveu por e-mail, criticando o momento aparente dos estudos que coincidem com o documentário. "Então, neste momento, mesmo que o valor do entretenimento seja inegável e o valor científico potencial seja evidente, o significado científico permanece indeterminado".

Berger, porém, não recuou. "Achamos o National Geographic e a PBS excelentes parceiros na comunicação com um público de fora do estreito campo científico da paleoantropologia", disse ele. Ele disse que sua equipe não tem "remorsos sobre comunicar a ciência das origens humanas para o público através da mídia televisiva, imprensa e internet e vai continuar a fazer isso".

A descoberta mais intrigante das escavações é a de que os corpos na caverna parecem ter sido levados, um por um para o poço, em um grande período de tempo.

"Uau, que um mistério!", disse Potts. "Quem fez isso?"

Como os fósseis parecem ter acumulado várias camadas de argila no fundo do poço, a equipe alegou que eles foram depositados lá ao longo do tempo, talvez como uma vala comum deliberada, e não como resultado de morrerem em alguma catástrofe simultânea há muito tempo.

A equipe de descoberta sugere que estes primos humanos extintos dependiam de tochas para repetidamente viajar cerca de 260 pés a partir da abertura da caverna Rising Star à cova fóssil e deixar seus mortos lá. O domínio do fogo pode também explicar os seus dentes pequenos, habilitando-os a comerem alimentos mais macios.

A equipe de Berger conclui que o Homo naledi depositava seus mortos em um poço profundo, a fim de protegê-los de necrófagos.

Os enterros não incluem espólio, ferramentas e não há outros sinais de enterros simbólicos, Potts observou, ao contrário dos observados com os humanos modernos pré-históricos e até mesmo com os nossos primos neandertais desaparecidos.

Ele suspeita que uma atitude cruel mais recente, mas ainda pré-histórica, feita pelos nossos próprios antepassados pode explicar melhor como a caverna sul-africana foi preenchida com os ossos de uma espécie humana agora extinta.

Se os indivíduos na cova da caverna tivessem vivido há relativamente pouco tempo, Potts disse, então os membros da nossa própria espécie, Homo sapiens, "poderiam sem a menor cerimônia terem se livrado deles".