back to top

Twitter nega que seus funcionários estejam lendo mensagens diretas dos usuários

"Nós não revisamos mensagens diretas proativamente. Ponto", disse um representante da empresa ao BuzzFeed News.

publicado
Reprodução / Via YouTube screenshot

Nesta semana, o ativista e cineasta conservador James O'Keefe publicou uma gravação com uma câmera escondida que mostra engenheiros do Twitter dizendo que a rede social tem centenas de funcionários lendo "tudo o que você posta na rede" — incluindo mensagens diretas.

No entanto, segundo o Twitter, essas afirmações são incorretas e foram retratadas de forma errôena pela organização de mídia de O'Keefe, a Project Veritas.

O vídeo, feito com uma câmera escondida, mostra o engenheiro do Twitter Clay Haynes contando ao ativista da Project Veritas que centenas de funcionários têm acesso aparentemente irrestrito aos dados pessoais dos usuários da plataforma.

"Há equipes dedicadas a isso... Pelo menos 300 ou 400 pessoas", diz Haynes no vídeo. "Eles são pagos para olhar para fotos de pênis."

O Twitter nega essas afirmações. "Nós não revisamos mensagens diretas proativamente. Ponto", disse um representante da empresa ao BuzzFeed News.

"Um número limitado de funcionários tem acesso a essas informações, para fins legítimos de trabalho, e nós aplicamos rígidos protocolos de acesso a esses empregados."

O Twitter não respondeu a perguntas sobre o número de funcionários que tem tal acesso nem especificou quais precauções tomam para proteger dados sensíveis de usuários.

Um ex-funcionário de alto escalão do Twitter corroborou o comentário da empresa, observando que as alegações do vídeo do Project Veritas foram "tecnicamente precisas até certo ponto, mas exageradas para causar efeito".

O ex-funcionário alegou que o grupo de engenheiros habilitado a ver tais dados sensíveis é "muito pequeno" e que o acesso só é permitido "para responder a uma denúncia" (exemplo: 'a pessoa X está me assediando por mensagens diretas').

Dois ex-funcionários de alto escalão do Twitter também observaram que a maior parte do trabalho de moderação é conduzido por meio de algoritmos — em parte devido ao grande número de denúncias que o Twitter processa diariamente. No vídeo do Project Vertias, um engenheiro do Twitter parece confirmar isso.

O vídeo foi o mais recente de uma série feita pelo Project Veritas com o intuito de investigar o Twitter. Na semana passada, O'Keefe publicou gravações de engenheiros do Twitter alegando que a empresa tem "o prazer de ajudar o Departamento de Justiça em sua pequena investigação" sobre o presidente dos EUA, entregando tuítes e mensagens diretas de Donald Trump.

O Twitter rebateu com veemência as afirmações da semana passada, observando em uma declaração que "só responde a solicitações legais válidas e não compartilha qualquer informação de usuários para a execução das leis sem uma solicitação". Na mesma declaração, um representante do Twitter condenou o vídeo do Project Veritas por enganar seus funcionários e fazê-los falar sob falsos pretextos.

"Nós depreciamos as táticas enganosas e desleais pelas quais essas gravações foram obtidas e editadas de forma seletiva para se enquadrarem em uma narrativa pré-determinada", disse o Twitter semana passada. "O Twitter se compromete em aplicar nossas regras sem parcialidade e empoderamos todas as vozes em nossa plataforma, de acordo com as Regras do Twitter."

Essa não é a primeira vez que o Twitter passou por investigação devido à forma como administra o acesso de funcionários aos dados dos usuários. Em novembro do ano passado, a empresa encarou críticas após um funcionário suspender temporariamente a conta do presidente Trump.

A suspensão provocou dúvidas sobre a possibilidade de funcionários acessarem informações de usuários e agir de modo a suspender ou bani-los indiscriminadamente.

Desde o incidente de novembro, o Twitter aparentemente tem adotado medidas para refinar as permissões dadas a funcionários, de acordo com uma fonte ciente do processo de tomada de decisões.


Este post foi traduzido do inglês.

Charlie Warzel is a Senior Technology Writer for BuzzFeed News and is based in Missoula, Montana

Contact Charlie Warzel at charlie.warzel@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.