go to content

19 coisas que você deveria ter aprendido na escola sobre sexo, mas que provavelmente não aprendeu

Onde estava a aula sobre clitóris, lubrificação ou consentimento?

publicado

Para a maioria de nós, as aulas de educação sexual da escola não foram lá muito boas.

Paramount Pictures

"Não faça sexo, porque você vai ficar grávida e morrer."

As minhas, por exemplo, diziam que a abstinência era a única opção e tentavam nos assustar com fotos de DSTs não tratadas (mas, ironicamente, não era repassada nenhuma informação sobre como reduzir o risco de DSTs). O projeto final envolvia carregar um "bebê" ovo por uma semana sem quebrá-lo, um exercício sobre as dificuldades da paternidade, obviamente.

Então, se as suas aulas de educação sexual também deixaram lacunas, aqui estão algumas coisas que sempre é bom saber:

1. O sexo não se resume à penetração.

NBC

Muitas aulas de educação sexual ensinam que sexo = penetração. Mas se algo está acontecendo em outro lugar, é sexo também!

"A maioria das pessoas não necessariamente se encaixa nesse modelo do que é considerado sexo", disse o educador sexual Logan Levkoff ao BuzzFeed Health. "Há várias maneiras de obter prazer e de se sentir íntimo e satisfeito com outra pessoa, quer elas caiam ou não em alguma dessas bobas e velhas ideias do que o sexo deve ser."

2. Há vários fatores aleatórios que podem girar em torno da excitação e do orgasmo.

etsy.com

"A excitação tem um componente físico e psicológico", segundo a terapeuta sexual Madeleine Castellanos, autora do livro "Wanting to Want". E ambos normalmente precisam trabalhar juntos para que tudo corra bem.

Então, se você está muito cansado, muito estressado ou muito bêbado, pode ser mais difícil ficar excitado ou ter um orgasmo. Outros fatores que podem influenciar são determinadas drogas (como antidepressivos, anti-histamínicos ou opióides) e determinadas condições de saúde.

Adquira este conjunto de bordados em ponto cruz no Etsy.

3. O controle de natalidade não funciona do mesmo jeito para todas as pessoas

instagram.com

a camisinha masculina, a camisinha feminina, o DIU, o implante anticoncepcional, o anel vaginal, a injeção anticoncepcional, o adesivo, literalmente dezenas de pílulas anticoncepcionais diferentes. Temos muitas opções. Cabe a você e ao seu médico determinar qual dessas opções funciona melhor para você, e a adaptação ao método escolhido pode demorar um pouco.

Tal como acontece com todos os medicamentos, há um risco de efeitos colaterais ao iniciar o controle de natalidade, por isso, se estiver sentindo algo diferente, não deixe de contar ao seu médico para que ele possa ajudá-lo a encontrar um método que realmente torne a sua vida mais fácil.

4. Os testes de DTSs são super necessários e comuns.

instagram.com

Fazer esses exames é apenas uma das partes de ser um adulto sexualmente responsável, diz Logan. Os tipos de testes e a frequência com que eles devem ser feitos dependem da sua idade, da sua anatomia e dos seus hábitos sexuais. Aqui estão algumas orientações gerais (em inglês), mas para obter recomendações personalizadas é melhor ir ao seu médico ou a uma clínica de saúde sexual.

A maioria das DSTs pode ser transmitida por meio de relações sexuais orais, anais e vaginais, e algumas podem até ser disseminadas por meio do contato genital pele a pele. Então, só porque alguém diz que "nunca fez sexo", não significa que essa pessoa nunca foi exposta a DSTs. Fazer os testes é a única maneira de saber com certeza se tudo está bem.

5. Você nem sempre sabe quando alguém tem uma DST (até mesmo você).

instagram.com

Se você já foi exposto a fotos horrendas de clamídia e verrugas genitais, provavelmente tem a impressão de que as DSTs são óbvias. Mas não é bem assim. A maioria das DSTs não apresentam nenhum sintoma, e a única maneira de saber se você está contaminado é fazendo um teste.

Da mesma forma, também não há como saber se o seu parceiro está livre de DSTs, mesmo que seus genitais pareçam bem bonitos e saudáveis. Então, faça o teste regularmente e peça a seu parceiro para fazer o teste também.

6. A masturbação não é algo vergonhoso.

3 Arts Entertainment / Via thehorseskeepe.tumblr.com

Praticamente todas as menções de masturbação nas aulas de educação sexual e na cultura popular é sobre homens e/ou pênis. É como se o simples pensamento de alguém com uma vagina se masturbando fosse um conceito muito ridículo para ser mencionado.

Então é bom saber: a masturbação não é algo estranho, embaraçoso ou vergonhoso, independente do gênero. "A ideia é que você entenda o que é bom para seu corpo... e que você saiba que seu corpo é capaz de sentir prazer por conta própria", diz Logan.

Além disso, a masturbação pode beneficiar a sua saúde e o seu funcionamento sexual. "Se você não sabe o que sente ou o que é normal para seu corpo, será quase impossível identificar quando algo incomum aparecer."

7. O clitóris e o pênis são muito parecidos.

instagram.com

Provavelmente, você aprendeu tudo sobre os órgãos internos de uma mulher, como a vagina, os ovários e o útero. Enquanto isso, o clitóris, basicamente o chefe de todos os orgasmos, mal foi mencionado. "Nós gostamos de igualar vaginas e pênis como se eles fossem os mesmos órgãos, mas o clitóris e o pênis é que têm muito mais semelhanças", diz Logan.

O clitóris é uma pequena estrutura erétil situada logo acima da uretra e da abertura vaginal. É cheia de terminações nervosas, que é o que o torna tão semelhante ao pênis. Além disso, o clitóris incha um pouco durante a excitação, como uma ereção. Logan comenta que a parte que você pode ver está parcialmente escondida sob um pequeno pedaço de pele, chamado de capuz do clitóris, mas as terminações nervosas do clitóris realmente se estendem pelos lados da vulva, então há mais do que você pensa.

8. Para aquelas pessoas que possuem uma vagina, não é incomum não ter um orgasmo durante o sexo.

Claudie Ossard Productions

"Há muitas mulheres que amam a penetração e têm orgasmos com a penetração", diz Madeleine. "Mas a maioria das mulheres precisa de certo nível de estimulação do clitóris para atingir o clímax."

O problema é que a maioria das posições sexuais não estimula o clitóris, diz Ian. Solução simples: Faça mais coisas e não confie apenas na penetração! Na verdade, a pesquisa mostra que as mulheres são mais propensas ao orgasmo se houver uma variedade de atos sexuais (como sexo vaginal + sexo oral + estimulação manual).

9. Da mesma forma, o pênis não é bem o protagonista da relação sexual.

instagram.com

Também deve ser observado que a maior, mais rígida e mais duradoura ereção não é necessariamente igual ao melhor sexo.

"É difícil dizer quantos jovens eu vejo que têm transtorno erétil induzido por ansiedade", diz Ian. "Parte da pressão disso vem desse modelo baseado em relações sexuais onde os homens sentem que precisam confiar completamente em seus pênis para dar e receber prazer". Lembrete rápido: Há muita coisa que pode ser feita com suas mãos, boca e brinquedos.

10. A maioria dos estereótipos de gênero em torno do sexo é besteira.

instagram.com

"COMO VOCÊ CHAMA UMA MULHER QUE FAZ MUITO SEXO?
PELO NOME DELA."

Os homens pensam sobre sexo a cada seis segundos e as mulheres odeiam fazer sexo oral, CERTO?

Claro, essas declarações podem ser verdadeiras para algumas pessoas, mas generalizar assim não é produtivo nem útil. Em vez disso, esse tipo de informação pode fazer alguém se sentir confuso ou estigmatizado se não cair nessas categorias, por exemplo, se um cara não está constantemente pronto para o sexo ou se uma garota tem uma libido maior do que a do seu companheiro. Não há nada de errado com você, se for esse o caso. O erro está na maneira que nós historicamente falamos sobre sexo.

Embora seja verdade que as respostas fisiológicas à excitação e ao sexo diferem dependendo da sua anatomia, quando se trata de preferências ou comportamentos sexuais, ela varia de pessoa para pessoa.

11. Respeite o gênero e a diversidade sexual, mesmo que você não os entenda totalmente.

Logo

Há uma diferença entre sexo, orientação sexual, identidade de gênero e expressão de gênero. E é importante lembrar que qualquer uma dessas coisas não dita automaticamente a outra, diz Logan.

Embora seja útil entender as várias identidades não binárias e as formas de expressão sexual, é ainda mais importante que você seja respeitoso e sensível a essa diversidade, independentemente de quão familiar você está com a linguagem. Isso significa perguntar a uma pessoa com que pronome ela prefere ser tratada e começar a desconfiar de pressupostos heteronormativos/cisnormativos (como uma lista de dicas de sexo para "todos", mas que na verdade serve apenas para mulheres heterossexuais).

12. Os preservativos são a melhor proteção contra DSTs e HIV, independentemente do controle de natalidade que você usa.

Mukhina1 / Via Getty Images

O preservativo é algo muito mágico. Ele têm até 98% de eficácia na prevenção da gravidez (quando usado corretamente e consistentemente) e protege contra DSTs e HIV. No entanto, de acordo com um relatório recente do Centers for Disease Control (CDC), apenas 57% dos alunos do ensino médio sexualmente ativos nos EUA usaram preservativo na última vez que tiveram relações sexuais.

Uma das razões possíveis é que mais pessoas estão confiando em métodos hormonais de controle de natalidade de longo prazo, como o DIU ou o implante anticoncepcional, diz Logan. Isso é ótimo! No entanto, como os métodos hormonais oferecem proteção zero contra as DSTs e o HIV, você ainda precisa usar um preservativo com eles. Logan afirma que "o uso duplo ainda é a melhor opção".

Saiba: preservativos também podem proteger contra as DSTs durante o sexo oral.

13. Consentimento é um princípio que é relevante para todos os aspectos de nossas vidas, mas especialmente para nossas vidas sexuais.

instagram.com

Do empréstimo de um lápis de alguém até o cancelamento de um jantar já marcado, o consentimento entra em jogo quando você respeita a resposta de alguém e sua capacidade de responder a algo.

E embora uma grande parte do consentimento inclua o direito de dizer não ao sexo (ou a alguma parte do sexo), Logan enfatiza que é igualmente importante considerar em quais circunstâncias você sentiria que é correto dizer sim. Consentimento é sobre estabelecer e respeitar fronteiras, confiar em si mesmo e manter a comunicação aberta.

14. Pornô pode ser ótimo, mas não é para ser um guia realístico para o sexo.

NBC

"Muitos jovens já me disseram que, na ausência de aulas de educação sexual de qualidade, a pornografia foi sua principal forma de aprender sobre sexo", diz Ian Kerner, fundador do Good in Bed. Mas isso não é o ideal.

Não é que a pornografia seja ruim ou vergonhosa. Ela pode ser divertida, libertadora e sexy. "Ela existe porque serve a um propósito", diz Logan. Mas é importante diferenciar o sexo do pornô do sexo real e não deixar isso levar à expectativas irrealistas, assim como qualquer outra forma de mídia que consumimos.

15. Nunca fique envergonhado de conversar com o seu médico sobre sexo. Eles definitivamente não terão vergonha.

FOX

"Eu gosto de sexo, conta mais..."

Se é uma dúvida sobre o corpo (tipo, o que é este inchaço/brotoeja/ cheiro?) ou sobre sexo (por que sinto dor quando faço sexo? Por que eu não estou ficando molhada/não tenho ejaculação/não fico excitado?), seu médico provavelmente poderá responder, diz Logan.

Se você realmente não se sente confortável conversando com seu médico, peça para ser encaminhado para um ginecologista ou urologista.

16. O lubrificante é seu amigo.

instagram.com

Sem sombra de dúvida, inclua o lubrificante em suas relações sexuais. Mas nunca use lubrificantes à base de óleo, porque eles podem tornar os preservativos de látex menos eficazes. Lubrificantes à base de água e de silicone podem tornar o sexo muito mais incrível para todos os envolvidos.

17. Fale sobre sexo. É divertido e informativo!

Showtime

"O que você sabe sobre orgasmos?"

Você provavelmente não entra em um relacionamento supondo que a outra pessoa já saiba que você ama bife, que odeia sushi, que prefere o café sem açúcar e que tem alergia a amendoim. Então, por que você espera que eles saibam sobre suas preferências sexuais sem falar sobre isso?

"[Muitos casais] não sabem como falar sobre o que lhes fazem bem, o que não lhes fazem bem ou quando o sexo machuca", diz Ian. "Eles não sabem como compartilhar algo que os excita ou uma fantasia, ou como perguntar ao parceiro sobre o que eles estão interessados sexualmente. Eles não sabem como insistir para que o parceiro use preservativo durante o sexo. "

Então, em vez de ver o sexo e a saúde sexual como tópicos que são muito embaraçosos ou inadequados para conversar, encoraje um diálogo sobre essas coisas.

18. Ter pensamento crítico e saber quando tomar uma decisão é muito importante para sua vida sexual.

youtube.com

Sabe aquela coisa que todo mundo diz aos jovens sobre sexo? "Espere até que você esteja pronto"? Sabe o que teria sido muito mais útil? Aprender como saber quando você está pronto e o que fazer quando estiver pronto.

Para descobrir quais são essas respostas para você (porque elas serão diferentes para cada um), faça perguntas como: Em que circunstâncias eu me sentirei confortável e animado para ter relações sexuais com alguém? O que eu quero (ou não quero de jeito nenhum) na minha vida sexual? O que está impactando a maneira como eu penso sobre sexo e relacionamentos? Etc.

19. E, finalmente, não há nada disso de ~ normal ~.

buzzfeed.com

"EXPECTATIVA PARA O SEXO X REALIDADE
- Nossos genitais não estão nem perto um do outro
- Não"

É a única pergunta que todos queriam saber nas aulas de educação sexual e a única que provavelmente ainda tinham quando a aula terminava: Eu sou normal? O que eu faço, como me sinto é normal?

"A sexualidade é incrivelmente variada", diz Logan. "Não há nada disso de 'ser normal'".

Este post foi traduzido do inglês.

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss