• newsbr badge
  • Coronavi­rus Brasil badge

Sinagogas de SP ignoram decreto de Bolsonaro, mantêm quarentena e número de fiéis online cresce

"Temos essa maravilha que é continuar rezando, nos conectando de forma online. É por esse caminho que a gente vai continuar seguindo", diz rabino sobre o Shabat virtual.

Reprodução/Youtube

O rabino Rogerio Cukierman e o cantor litúrgico Avi Bursztein no Shabat online

As sinagogas de São Paulo manterão as portas fechadas mesmo depois do decreto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desta quinta-feira (26), que passou a considerar as atividades religiosas como serviços essenciais e, assim, criou uma alternativa jurídica para que templos permaneçam abertos, independente de medidas tomadas por Estados e municípios para evitar aglomerações.

Há mais de duas semanas, a decisão dos rabinos foi suspender todas as celebrações físicas e realizá-las online, pelo YouTube e canais da Congregação Israelita Paulista (CIP). Em São Paulo, a quarentena imposta pelo governo estadual começou na semana passada e vai até o dia 7 de abril, podendo ser estendida.

"A nossa sensação, na Congregação Israelita Paulista, é que agora a gente precisa estar próximo de todos os setores da sociedade que estão fazendo um enorme sacrifício, como bares, restaurantes, cinemas, teatros, e que estão fechando suas portas. Nós não vemos motivo para fazer algo diferente nesta hora", disse ao BuzzFeed News o rabino Michel Schlesinger, nesta quinta-feira.

"Temos essa maravilha que é continuar rezando, nos conectando de forma online. É por esse caminho que a gente vai continuar seguindo."

Eliana Assumpção/CIP

O rabino Michel Schlesinger, da CIP

Segundo o rabino, antes de decretar a quarentena em São Paulo, tanto o governador João Doria (PSDB) como o prefeito Bruno Covas (PSDB) consultaram a congregação israelita na semana passada. Os rabinos, no entanto, já haviam decidido por fazer uma quarentena voluntário e passaram a celebrar o Shabat (seu culto semanal) pela internet.

A surpresa, de acordo com a CIP, foi o aumento do número de judeus que passaram a acompanhar as cerimônias online, que nunca tinham sido feitas dessa maneira pelos rabinos no Estado.

"No passado, nós tínhamos cursos e palestras online, mas nunca tínhamos rezado de forma digital. Estamos descobrindo que pessoas que estão afastadas da sinagoga porque são idosas ou moram em regiões distantes em São Paulo ou até em outras partes do Brasil, às vezes em cidades que nem têm sinagoga e rabino, conseguem se conectar dessa maneira", disse Schlesinger.

"Cada uma de nossas atividades tem, no mínimo, mais do que o dobro de participantes na plataforma online do que havia na versão somente presencial. Tem sido uma surpresa muito boa. Em meio a essa crise, a gente tem descoberto novas possibilidades que vão impactar também o nosso judaísmo depois que a crise passar", afirmou o rabino.

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here

Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.