• newsbr badge

Depois de morte de entregador sem socorro, Rappi anuncia botão de emergência para os motoboys

Thiago teve um AVC enquanto fazia entrega e não teve auxílio da Rappi, segundo pessoas que tentaram socorrê-lo. Agora a empresa anuncia equipe treinada para atender situações de gravidade.

John Vizcaino / AFP / Getty Images

Depois da morte do entregador Thiago de Jesus Dias, que sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) enquanto trabalhava, a Rappi afirmou que está desenvolvendo um botão de emergência no aplicativo dos motoboys para que eles possam falar diretamente com uma equipe treinada a atender situações de gravidade.

A Rappi afirmou ao BuzzFeed News nesta quinta-feira (11) que "está buscando melhorias em seus processos".

"A empresa está desenvolvendo um botão de emergência, que estará disponível dentro do aplicativo dos entregadores, por meio do qual os mesmos poderão optar por acionar diretamente o suporte telefônico da Rappi - que contará com equipe especializada - ou as autoridades competentes (caso se deparem com situações relacionadas à saúde ou segurança)", diz a nota da empresa.

Álbum de família

Thiago tinha 33 anos e morreu depois de um AVC.

Thiago de Jesus Dias, 33 anos, começou a passar mal quando fazia uma entrega de comida a um apartamento em Perdizes (zona oeste de São Paulo) na noite de sábado. Ele foi socorrido na rua pelos clientes da entrega e pediu para que entrassem em contato com a empresa pelo seu celular.

Segundo esses clientes, a Rappi pediu para dar baixa na viagem para evitar atrasos nas demais entregas e não prestou socorro ao motoboy. Naquela noite, o Samu também não prestou o socorro (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), tampouco um motorista de Uber, que se negou a levar o entregador em seu carro.

Depois de quase duas horas, Thiago foi levado por sua irmã no carro de amigos para o Hospital das Clínicas, onde ele já entrou sem consciência e foi levado ao UTI. Thiago morreu na segunda-feira de manhã.

A Uber não quis se manifestar sobre o ocorrido, e a prefeitura de São Paulo, que gerencia o Samu, afirmou que abriu uma investigação para apurar o caso.

Ao saber pela reportagem sobre a nova medida da Rappi, a família de Thiago se revoltou. "Eles descobriram que podem salvar vidas só agora? Depois de anos de aplicativo, eles tiveram a consciência de criar um botão?", disse o irmão caçula do entregador, Isaque de Jesus Dias, 24 anos.

"É revoltante eles terem essa ideia só agora, depois de a gente perder nosso irmão. Afinal, o que ele deixou de fazer a Rappi pode substituir por outro, mas nós da família não temos esse poder de contratar um novo irmão."

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here

Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.