• newsbr badge
Updated on 21 de ago de 2018. Posted on 21 de ago de 2018

Funcionária do governo Márcio França mandou email errado para a campanha de Doria

E o tucano quer denunciar o governador, que é seu adversário, à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público por suposto uso da máquina pública.

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, João Doria, denunciou nesta terça-feira (21) o governador Márcio França (PSB), que também disputa o cargo, por uso da máquina pública durante a campanha eleitoral.

A denúncia será levada nesta quarta-feira ao Ministério Público e à Justiça Eleitoral em mais um round da briga dos dois políticos, que trocam farpas e acusações desde antes do começo da campanha — eles disputam o apoio do candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), de quem França era vice.

O foco da denúncia é um email que foi parar no endereço errado.

Reprodução

Uma funcionária da Secretaria de Governo queria enviar para sua chefe, chamada Vivian, um email com críticas a um capítulo do programa de governo de Doria, mas acabou se enrolando com os nomes e mandou para outra Vivian — uma ex-funcionária do governo Alckmin que, agora, atua na campanha de Doria.

Intitulado "Pobreza - Documento JD", o email foi enviado na quinta-feira, horas antes do debate da Band entre os candidatos ao governo de São Paulo. "O candidato [Doria] não apresenta propostas para o atendimento das demandas sociais da população pobre do Estado, nem para garantia de direitos e acesso à cidadania das minorias", escreveu a funcionária Gabriela Haddad a sua chefe, Vivian Satiro.

Paulo Whitaker / Reuters

Os tucanos João Doria e Geraldo Alckmin.

Segundo a campanha de Doria, a análise se referia a um capítulo do programa de governo do tucano. JD é João Doria. Para os advogados do tucano, as funcionárias trataram de estratégia de campanha do governador, extrapolando suas funções.

"É uma denúncia extremamente grave de uso da máquina, da secretaria que cuida de ações estratégias do governo", disse o deputado Rodrigo Garcia (DEM), coordenador da campanha de Doria e candidato a vice-governador.

Para ele, o "email é a ponta do iceberg". "O gabinete está se transformando em um comitê eleitoral. Funcionário público trabalhando em horário de expediente para a campanha eleitoral em vez de trabalhar para o governo", disse Garcia.

Até antes da campanha, Garcia era secretário do mesmo governo do qual França era vice.

Segundo a última pesquisa Ibope, divulgada ontem, Doria tem 20% das intenções de voto, em empate técnico com Paulo Skaf, do MDB. França tem 5%, empatado com Luiz Marinho (PT), que tem 4%.

GOVSP/Fotos Públicas

O governador Márcio França, no dia em que substituiu Alckmin, em abril.

A relação entre França e Doria é tensa desde que o tucano decidiu que iria disputar o governo, enquanto França tinha a expectativa de ficar com o apoio do então governador, Alckmin, em São Paulo. Os dois disputam também o apoio de deputados e prefeitos de partidos da base do governo paulista. Formalmente, Doria levou a maior parte para sua coligação.

Para fazer a denúncia contra França, a quem Doria tentou apelidar de "Márcio Cuba" (em referência a ele ser de um partido socialista, o PSB), a campanha tucana anunciou com alarde uma entrevista coletiva e afirmou que vai pedir até a quebra de sigilo telemático (dos emails) do governo para apurar se há outros casos. O candidato não participou da entrevista. Estava em campanha no interior.

Mais cedo, o governador Márcio França atribuiu a denúncia a um suposto ciúme que Doria teria de tucanos que o apoiam. Ele afirmou que a funcionária autora do email trabalha na Secretaria de Governo, do também tucano Saulo de Castro.

“Acho tudo dele muito fake. A secretária que ele está falando é da Secretaria de Governo, do secretário Saulo de Castro, que é membro efetivo do diretório estadual do PSDB. Ele está com tanto ciúme dessa história de campanha eleitoral, em especial dos tucanos que não estão com ele. Quanto mais ele faz isso, pior fica. Já tentei falar isso para ele várias vezes. Ele tinha de mirar nas pessoas que são adversárias dele, não a mim”, disse França.

No início da noite, o governo do estado enviou nota à reportagem, afirmando que utilizar a infraestrutura do governo é uma prática "vedada a qualquer servidor para uso de interesse individual". O BuzzFeed News tentou falar com a servidora, mas ela não foi localizada e seu departamento orientou a reportagem a procurar a assessoria de imprensa.

E a nota da assessoria de imprensa do governo é a que segue:

"A Secretaria de Governo do Estado de São Paulo informa que a Subsecretaria de Ações Estratégicas [de onde partiu o email], criada em 2011 no governo Alckmin, tem por função coletar diariamente dados públicos, sem exceção, de amplo acesso, relacionados a ações estaduais, a fim de subsidiar a população, órgãos de imprensa e demais secretarias de Estado.

O Governo do Estado de São Paulo reitera que a utilização da estrutura institucional é vedada a qualquer servidor para uso de interesse individual."

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here