"A gente tem de seguir o exemplo do povo do Chile", diz Lula

    De volta a São Bernardo, Lula fala que é preciso "atacar e não apenas se defender".

    Amanda Perobelli / Reuters

    SÃO BERNARDO DO CAMPO, São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reuniu milhares de militantes neste sábado (9) diante do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, e cobrou mobilização contra o governo de Jair Bolsonaro (PSL), que segundo Lula está a serviço das milícias no Rio de Janeiro.

    Lula afirmou que o povo deve seguir o exemplo do Chile, onde os protestos têm tomado conta do país, em alguns momentos com mortes e violência. Para Lula, não basta resistir. É preciso "atacar e não apenas se defender". Para o petista, o povo do Chile se voltou contra o modelo econômico que o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer implantar no Brasil.

    Amanda Perobelli / Reuters

    O tom forte do discurso de oposição já havia se desenhado na sexta-feira, quando ele deixou a prisão em Curitiba, depois de 580 de detenção. Lula acusou o procurador Deltan Dallagnol e o ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro, de terem conspirado para o tirarem da eleição de 2018. Os chamou de canalhas e mentirosos.

    “Bolsonaro chegou a confessar que deve a campanha a Moro”, disse Lula, voltando a afirmar que o presidente Bolsonaro se elegeu propagando fake news.

    Pedro Vilela / Getty Images

    Lula criticou o projeto econômico de Bolsonaro e Paulo Guedes e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Mas as acusações mais graves disseram respeito a uma suposta relação que Bolsonaro teria com as milícias no Rio de Janeiro.

    “Cá estou eu, livre como um passarinho”, afirma Lula. “Eu duvido que o Bolsonaro durma com a consciência tranquila que eu durmo. Eu quero dizer a ele que eu estou de volta.”

    "Tem gente que fala que precisa derrubar o Bolsonaro. Tem gente que fala em impeachment. Veja, o cidadão foi eleito. Democraticamente, aceitamos o resultado da eleição. Mas ele foi eleito para governar para o povo brasileiro e não para para os milicianos do Rio de Janeiro", disse Lula, para mais adiante dizer que os brasileiros não podem deixar que "os milicianos destruam o país".

    Nacho Doce / Reuters

    O ex-presidente cobrou investigação sobre a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e criticou a atuação de Bolsonaro no caso.

    "Ele não pode fazer uma investigação do que eles fizeram para matar a Marielle. Não é a gravação do filho dele que vale. É preciso que haja uma perícia séria para que a gente saiba definitivamente quem matou a nossa guerreira chamada Marielle", disse o petista.

    Amanda Perobelli / Reuters

    Assim como Bolsonaro, Lula já entrou em ritmo de campanha eleitoral. Disse que vai viajar pelo país e afirmou para os militantes: "Se a gente trabalhar direitinho, em 2022 a chamada esquerda que o Bolsonaro tanto tem medo vai derrotar a ultradireita nesse país."

    Miguel Schincariol / Getty Images

    Lula estava acompanhado de diversos líderes partidários, entre petistas e integrantes do PCdoB e do PSOL, além de sindicalistas. Sua namorada, a socióloga Rosângela Silva, a Janja, foi apresentada mais uma vez. O petista, no entanto, ficou tímido quando pediram para que o casal se beijasse. "Depois, depois", desconversou.

    Pedro Vilela / Getty Images



    Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

    Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

    Got a confidential tip? Submit it here

    Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

    Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.