• newsbr badge
19 de mai de 2017

Delator da JBS diz que deu, em nome do PT, R$ 35 mi para pagar fidelidade de senadores do PMDB a Dilma

"Era tudo de propina, dissimulada em doações oficiais, notas fiscais e dinheiro vivo", contou Ricardo Saud. Segundo ele, acordo foi feito em 2014 entre Guido Mantega e Joesley Batista.

Em depoimento à Lava Jato, o diretor da JBS e delator Ricardo Saud afirmou que, na campanha de 2014, a empresa pagou R$ 35 milhões de dinheiro de propina a um grupo de senadores do PMDB para "segurar a unidade" do partido em torno da candidatura da petista Dilma Rousseff.

Saud disse que recebeu de Joesley um "bilhetinho" com o nome dos senadores. Segundo ele, os peemedebistas são: Eduardo Braga (AM), Vital do Rêgo (PB), Jader Barbalho (PA), Eunício Oliveira (CE), Renan Calheiros (AL) e Kátia Abreu, que receberia R$1 milhão.

"Mas esse um R$ 1 milhão a Katia Abreu nunca recebeu, ficou tudo para eles", disse Saud.

A operação foi feita sem que o então vice-presidente Michel Temer soubesse, nem o tesoureiro de Dilma à época, o ex-ministro Edinho Silva. O trato foi firmado entre o dono da JBS, Joesley Batista, e o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, de acordo com o depoimento de Saud no último dia 5.

Saud disse que o "PT agiu rápido" e "pulou" o Temer. "Nem o Edinho, tesoureiro do PT, tinha conhecimento, nem o vice-presidente Temer tinha conhecimento", disse o delator.

"O PT agiu rápido e pediu que a gente pegasse da propina deles, dos R$ 300 milhões que estavam disponíveis na campanha, que pegasse R$ 35 milhões da conta corrente da propina, do 'BNDES dos Fundos'", disse o delator.

Saud foi explícito sobre a origem do dinheiro e a forma de custeio das campanhas: "Tudo é propina, tudo dissimulado em forma de doações oficiais, notas fiscais, dinheiro vivo".

Esta reportagem ainda está em andamento. Tão logo consiga o BuzzFeed Brasil ouvir as pessoas citadas pelo delator, este texto será atualizado.

Veja também:

"Na eleição, eu só vi 2 caras roubar deles mesmos: o Kassab e o Temer", contou homem do caixa 2 da JBS

Aqui está a íntegra do HD sobre a investigação de Temer e políticos delatados pelo dono da JBS

Veja diálogos em que Aécio trama anistia ao caixa 2 e obstrução à Lava Jato com Joesley

Fachin aceita pedido de abertura de inquérito contra Temer; presidente é formalmente investigado

Isso é o que acontece agora se o Temer cair

A República vai abaixo: o que sabemos até aqui da operação que pede a prisão de Aécio e de aliado de Temer

O brasileiro transforma desespero em meme mais rápido do que qualquer país





Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here