• newsbr badge
Updated on 20 de ago de 2018. Posted on 20 de ago de 2018

Veredito de US$ 290 milhões contra Monsanto nos EUA pode ser desastroso para gigante agroquímica

Tribunal de San Francisco conclui que uso do popular herbicida Rondup provocou câncer terminal em homem.

Jeff Roberson / AP

O recente veredito de um tribunal de São Francisco (EUA), que concluiu que um popular herbicida da Monsanto causou câncer terminal em um homem, pode ser desastroso para a gigante agroquímica.

Segundo especialistas ouvidos pelo BuzzFeed News, a decisão unânime de um júri de San Francisco de conceder US$ 290 milhões em indenização a Dewayne Johnson, 46, gera um precedente poderoso para casos pendentes e futuros contra a Monsanto.

Além do veredito de que a empresa lesou Johnson, que foi diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, os jurados concluíram que a Monsanto agiu com má-fé ao não alertar adequadamente os consumidores sobre os potenciais riscos de usar seus produtos à base de glifosato, como o Roundup e o Ranger Pro.

A Monsanto já declarou que vai recorrer da decisão e, apesar do veredito, defende que o herbicida, vendido pela empresa desde a década de 1970, é seguro. "O júri errou", disse o vice-presidente da Monsanto, Scott Partridge. "Vamos recorrer e continuar defendendo vigorosamente o glifosato."

Em 2015, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o glifosato como provavelmente carcinogênico para humanos. Ainda assim, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) concluiu que não era provável que o herbicida causasse câncer em humanos.

O inspetor geral da EPA atualmente investiga denúncias de que um funcionário da agência compactuou com a Monsanto para conduzir pesquisas tendenciosas a favor do glifosato.

Carey Gillam, diretora de pesquisa da organização U.S. Right to Know e autora de um livro sobre a Monsanto e os riscos do Roundup, disse ao BuzzFeed News que o caso é um indicativo de como outros processos serão julgados nos EUA. Segundo ela, as provas apresentadas por Johnson contra a Monsanto deverão ser utilizadas em muitos outros casos.

E, de acordo com o advogado de Johnson, essa prova é apenas uma fração dos documentos incriminatórios que eles reuniram. "Usamos cerca de 30% do que temos, na verdade", disse o advogado Pedram Esfandiary, da empresa Baum, Hedlund, Aristei & Goldman, que representa centenas de outras pessoas que estão processando a Monsanto sob a alegação de que a exposição ao Roundup causa câncer.

Josh Edelson / AP

Dewayne Johnson após ouvir o veredito de seu caso contra a Monsanto no Supremo Tribunal da Califórnia, em São Francisco.

Desde que o veredito foi o anunciado, a gigante farmacêutica Bayer, que comprou recentemente a Monsanto, viu os preços de suas ações despencarem.

Além disso, membros do Legislativo americano no Havaí e na Califórnia disseram ao BuzzFeed News que estão considerando apresentar projetos de lei para banir produtos da empresa no ano que vem. "Está claro que existem alternativas mais seguras. A saúde pública e a segurança são imperativos, então acho prudente eliminar o risco que [os produtos de] glifosato representam ao público", disse o deputado estadual do Havaí, Chris Lee.

Na Califórnia, onde o Supremo Tribunal rejeitou recentemente um pedido feito pela Monsanto para reconsiderar a decisão de incluir o glifosato em uma lista estadual de carcinogênicos conhecidos, o membro da Assembleia Al Muratsuchi disse que analisa propor o banimento do uso do herbicida em terrenos escolares.

"Esse seria, acredito eu, um primeiro passo importante", disse Muratsuchi. "Se a OMS concluiu que o glifosato é um provável carcinogênico humano e, se um júri da Califórnia obrigou a Monsanto a pagar US$ 290 milhões em indenizações compensatórias e punitivas, deveríamos fazer tudo que podemos para proteger nossas crianças."

Projetos de lei propondo a proibição ou limitação do uso de produtos à base de glifosato já foram apresentados em alguns Estados americanos antes, mas nenhum chegou a ser aprovado. Neste ano, o senador do Estado de Nova York Brad Hoylman apresentou um projeto de lei que propõe uma moratória ou proibição à venda e distribuição de produtos de glifosato.

Outros países, como França e Itália, já tomaram medidas para banir ou impor restrições ao uso herbicida.

O Roundup e outros produtos herbicidas geraram US$ 4,8 bilhões em receita à Monsanto no ano fiscal de 2015.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil no seu celular? Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.

A tradução deste post (original em inglês) foi editada por Luísa Pessoa.

Stephanie Baer is a reporter with BuzzFeed News and is based in Los Angeles.

Contact Stephanie K. Baer at stephanie.baer@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here