Updated on 15 de ago de 2018. Posted on 26 de jun de 2018

    19 coisas que sua vagina gostaria que você soubesse

    Vamos conversar sobre o que nossa amiga quer e precisa.

    Kate Bubacz / Via BuzzFeed News

    Nos últimos meses, surgiram vários produtos e procedimentos prometendo “melhorar” nossas vaginas, como lasers, ovos de cristal, coletores menstruais com bluetooth e exfoliação vaginal (chamada, em inglês, de "vajacial", algo como "um facial para a sua vagina"), só para citar alguns exemplos.

    No entanto, manter a vagina saudável não é tão complicado quanto essas novas tendências podem nos fazer pensar.

    Então, o que podemos fazer para cuidar de nossas vaginas e vulvas?

    Para saber, conversamos com duas especialistas: Mary Jane Minkin, professora clínica de obstetrícia, ginecologia e ciências reprodutivas na Faculdade de Medicina da Yale (EUA); e Alyssa Dweck, obstetra, ginecologista e autora do livro "The Complete A to Z for Your V" (“Guia Completo de A a Z para sua V”, em tradução livre).

    1. Faça menos.

    Channel 4 / Via giphy.com

    Você provavelmente já leu sobre algumas coisas que, supostamente, podem fazer bem para sua vagina — de supositórios de ácido bórico a "pérolas" de ervas detox.

    No entanto, segundo as especialistas, quanto menos você "fuçar" lá embaixo, melhor. "A vagina é como um forno autolimpante e tem suas próprias formas de manter um pH ácido para manter as coisas equilibradas e prevenir infecções", disse Dweck ao BuzzFeed.

    Portanto, sua vagina — o canal muscular interno entre seu útero e o mundo exterior — deve ser deixada em paz. "Fazer muita coisa lá pode, na verdade, desregular o pH ou matar a flora bacteriana natural que nos mantém saudáveis", disse Minkin.

    Claro, se há um problema, você deve procurar um médico, mas não precisa utilizar supositórios especiais ou limpar sua vagina com vapor para ficar saudável. Confie que sua vagina fará sua parte.

    2. Diga adeus à ducha higiênica.

    3. Limpe sua vulva, mas de modo adequado.

    4. Opte por um sabonete suave e sem fragrância.

    Achim Sass / Getty Images / Via gettyimages.com

    Sabonetes perfumados podem causar irritações ou reações alérgicas na vulva. "Estamos falando do tecido mais sensível do corpo, então, quanto menos perfumes e produtos químicos, melhor", diz Minkin.

    As especialistas sugerem um sabonete suave, sem fragrância (não confundir com aqueles sem perfume, que ainda podem conter fragrâncias mascaradas), como um sabonete simples de glicerina. Guarde o gel de banho esfoliante com perfume de maçã para as axilas e o resto de seu corpo.

    5. Ensaboe lá embaixo uma vez por dia no máximo.

    The Gloss / Via theglossdotcom.tumblr.com

    Você pode tomar banho mais de uma vez por dia, mas não precisa, necessariamente, ensaboar os lábios todos as vezes também.

    "A limpeza excessiva da vulva pode tirar da pele os óleos naturais que a protegem", diz Dweck.

    6. Não seque a vulva esfregando uma toalha nela.

    FOX / Via mmmsimpsons.tumblr.com

    As mesmas regras de lavagem se aplicam quando você seca sua vulva: não esfregue uma toalha para frente e para trás lá embaixo — provavelmente é demais para o delicado tecido da vulva. "Você só precisa tocar gentilmente a área a secar com uma toalha limpa", diz Minkin.

    Se sua vulva está dolorida ou irritada, Minkin aconselha o uso de um secador no ajuste frio ou no mínimo do quente, segurando-o a 30 centímetros de distância. "O ar pode acalmar e secará a vulva sem a necessidade de esfregá-la", diz Minkin.

    7. Se você tiver banheira em casa, vá com calma com as bombas de sal de banho e imersões perfumadas.

    Pavelkriuchkov / Getty Images / Via gettyimages.com

    Sua vulva e vagina não gostam nem um pouco de ficar imersas em um banho de espuma. "Isso pode desestabilizar o pH da vagina, o que pode te deixar mais suscetível a irritações ou infecções", explica Minkin.

    Limite os banhos de espuma a um ou dois por mês e definitivamente não utilize bombas de banho se já estiver com comichão ou dores lá embaixo. Além disso, "fique de olho se houver irritações após banhos de banheira", diz Dweck.

    8. Fique longe de absorventes internos e externos que prometem disfarçar odores.

    Jenny Chang / Via buzzfeed.com

    Primeiro, o sangue menstrual não precisa ter certo cheiro ou ser mascarado por perfumes. Segundo, absorventes internos e externos que disfarçam odores estão cheios de fragrâncias que você não quer perto do sensível tecido da vulva ou de sua vagina.

    "Os absorventes internos perfumados podem desequilibrar a vagina e causar irritações ou reações alérgicas. Opte por produtos sem fragrância", diz Dweck.tenha fragrância.

    9. Cuide para que seus outros produtos de higiene não estejam causando nenhum problema.

    FOX / Via imgur.com

    Sua genitália pode ficar irritada por vários motivos, então não conclua que você tem uma infecção por fungos quando começar a coceira.

    "Uma grande causa de irritação na vulva é a alergia ou sensibilidade a ingredientes de produtos que usamos todos os dias", diz Dweck.

    Esses produtos incluem sabonetes, loções, cremes de depilação, sprays, detergentes de roupa e qualquer outra coisa que entre em contato (direta ou indiretamente) com sua vulva ou vagina. O que você usa para limpá-la também é importante.

    “Cuidado com os lenços umedecidos — os produtos químicos neles podem deixar a pele com uma irritação que dá coceira da vulva ao ânus”, diz Dweck. Para ficar tranquila, escolha produtos sem fragrância e com menos ingredientes. Guarde a loção chique de limão e verbena para as pernas e os braços.

    Se sua irritação na vulva é decorrente de uma alergia, isso pode exigir tempo, paciência e um teste de alergia para descobrir quais ingredientes você precisa evitar — seu ginecologista pode te ajudar a descobrir isso.

    10. Livre-se das calcinhas desconfortáveis e apertadas demais.

    Seb Oliver / Getty Images / Via gettyimages.com

    Sabe aquelas calcinhas bastante desconfortáveis que não servem direito e estão no fundo da gaveta, para usar só numa hora de desespero? É hora de jogá-las fora, junto com todas as outras que não servem direitinho.

    Minkin recomenda calcinhas de algodão ou com forro de algodão. O estilo — fio dental ou não — não importa, desde que seja confortável e de um tecido poroso.

    “Se sua vulva e vagina não pegarem nenhum ar, você fica mais propensa a infecções fúngicas”, diz Minkin. Os fungos se desenvolvem em lugares quentes e úmidos, por isso vestir calcinhas sufocantes o dia todo não é boa ideia.

    11. Aceite o ~aroma natural~ de sua vagina.

    HOLYCHILD / youtube.com / Via giphy.com

    A maioria das pessoas tem um aroma vaginal único que varia com o ciclo menstrual e a dieta alimentar, diz Dweck. Isso é algo totalmente normal e não há motivo para vergonha.

    Não use perfumes ou sprays em sua vulva, pois eles podem ser muito irritantes.

    Obviamente, se você tem um odor vaginal muito ruim ou acompanhado de sintomas, como coceira, consulte o médico.

    12. Previna os pelos encravados lá embaixo em vez de removê-los.

    Flo Perry / Via buzzfeed.com

    Os folículos dos pelos pubianos podem ficar entupidos e infectados (foliculite), fazendo aparecer algo que parece uma espinha. Às vezes isso acontece por azar mesmo, mas há algumas coisas que você pode fazer para ajudar a preveni-los.

    Dweck aconselha que a depilação seja feita com uma lâmina nova e limpa e que ela seja substituída a cada uma ou duas semanas. Se preferir cera, vá para um lugar com boa reputação e gentilmente esfolie a região pubiana antes do procedimento.

    Outra dica é evitar ficar sentada por aí com a roupa suada da academia por muito tempo, que pode manter bactérias na região pubiana.

    Pode até ser gostosinho tirar uma espinha ou arrancar um pelo encravado, mas não faça isso. Romper a pele lá embaixo pode deixá-la mais suscetível a infecções, diz Dweck. Resista ao desejo de apertar e use compressas quentes — na maioria dos casos, o folículo piloso inflamado sairá por conta própria. E se algum inchaço não desaparecer, vá ao ginecologista.

    13. Comece a monitorar sua vulva para ver se surgem pintas ou marcas.

    14. Escolha o vibrador ou brinquedo sexual certo para a sua vagina.

    Igor_avramchuk / Getty Images / Via gettyimages.com

    A masturbação é uma válvula de escape sexual surpreendente e, além disso, faz bem para você! Os brinquedos podem ajudar a melhorar o prazer durante a masturbação e eles vêm em todos os formatos e tamanhos, para que você escolha o que é certo para sua anatomia vaginal única.

    "O lugar do prazer máximo é o clitóris, mas muitas mulheres acham que há uma zona de prazer na superfície frontal ou na parte de cima frontal de seu canal vaginal", diz Dweck. Você pode encontrar esse lugar colocando o dedo e movendo-o para cima, em um movimento do tipo "venha aqui". Independentemente de qual seja o seu ~ponto~, encontre um bom brinquedo sexual e se divirta!

    15. Encontre um lubrificante que te agrade e use e abuse dele nas preliminares e no sexo.

    DreamWorks / Via giphy.com

    "O lubrificante é subestimado e subutilizado", diz Dweck. Você deve estar bem lubrificada para o sexo, porque isso ajuda a prevenir fissuras dentro e ao redor da vagina.

    A vagina se autolubrifica quando você está excitada, diz Minkin, mas às vezes não o suficiente (ela também pode ficar seca devido a coisas como hormônios ou medicamentos). É nessa hora que os lubrificantes são úteis.

    Os lubrificantes não são todos iguais e você deve escolher o tipo certo para suas necessidades.

    O lubrificante à base de água é a aposta mais segura, diz Dweck, porque os lubrificantes à base de silicone podem estragar brinquedos sexuais e os lubrificantes à base de óleo podem destruir os preservativos de látex.

    Se você tem muita sensibilidade ou alergias, escolha um lubrificante com menos ingredientes e fique longe de coisas com fragrância e sabor.

    16. Se o sexo for sempre doloroso, não ignore — vá ao médico.

    17. Encontre uma ginecologista que você goste e converse com ela sobre tudo.

    Maritsa Patrinos / Via buzzfeed.com

    Sua ginecologista está lá para te ajudar e ajudar sua vagina. Encontre alguém com quem fique confortável, porque você precisará falar com ela sobre qualquer coisa e tudo que estiver acontecendo lá embaixo.

    Consulte sua ginecologista pelo menos uma vez por ano, diz Minkin. Quando for para a consulta, lembre-se de anotar todas as suas dúvidas, até mesmo as que te deixam meio constrangida.

    18. E vá ao ginecologista em vez de ficar tratando por conta própria aquela "candidíase insistente".

    Voyagerix / Getty Images / Via gettyimages.com

    As infecções por fungos são muito comuns e não são motivo de pânico. Porém, se elas estão aparecendo com frequência, pode haver outro problema acontecendo lá embaixo.

    “Quando se trata de infecção por fungos, as mulheres só se autodiagnosticam com precisão cerca de um terço das vezes", diz Minkin.

    Pode ser uma alergia, vaginose bacteriana, tricomoníase ou outra IST — a única forma de saber é se você for a sua ginecologista para que ela faça o teste correto e trate o problema.

    19. Ame seus lábios.

    Veja também:

    Você já tem o app do BuzzFeed Brasil no seu celular? Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.

    A tradução deste post (original em inglês) foi editada por Luísa Pessoa.

    Want to be the first to see product recommendations, style hacks, and beauty trends? Sign up for our As/Is newsletter!

    Newsletter signup form