• newsbr badge

"A natureza do PT, assim como a do escorpião, é afundar sozinho", afirma Ciro

Pré-candidato à Presidência, o ex-ministro rechaçou a possibilidade de o PT apoiá-lo. "Vão fazer de novo a mesma coisa, mas tá tudo certo, direito deles."

Pré-candidato à Presidência, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse nesta terça (20) que "a natureza do PT, assim como a do escorpião, é afundar sozinho".

Ciro foi questionado se faria aliança eleitoral com o PT caso uma candidatura alternativa à do ex-presidente Lula não se concretize, como tem sido aventado.

Ele disse que faria a coligação, mas que acha o cenário pouco provável, já que o PT vai querer candidato próprio. "Vão fazer de novo a mesma coisa, mas tá tudo certo, direito deles."

Ricardo Stuckert / Instituto Lula

A fala de Ciro ocorreu durante evento da Folha de S.Paulo, em que foi entrevistado pela colunista Mônica Bergamo. O pré-candidato defendeu que Lula é inocente e deveria ser absolvido, mas que outros petistas cometeram crimes.

"A parte hegemônica da burocracia [do PT] chafurdou onde não deveria chafurdar", ele disse, citando Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda (governo Lula) e da Casa Civil (governo Dilma).

Apesar de crer na inocência de Lula, o pedetista acredita que a decisão da Justiça de condená-lo deve ser respeitada. "Pode até dizer que é uma decisão injusta, mas não se pode dizer que é uma decisão arbitrária."

Na pesquisa mais recente do Datafolha, divulgada em 31 de janeiro, Ciro aparece empatado tecnicamente na segunda colocação com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e atrás do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que deve concorrer à Presidência pelo PSL e tem 18% das intenções.

Nesse cenário sem Lula, o pré-candidato do PDT tem 12% das intenções, quase o mesmo percentual de Alckmin, que tem 11% — veja a pesquisa completa neste link.

A proximidade com Alckmin nas pesquisas ajuda a explicar por que Ciro também centrou fogo no tucano nesta terça.

Instado a comentar a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, que classificou como "politiqueira e mal intencionada", Ciro disse que o governo deveria ter começado por São Paulo.

Ele disse que "há 10 anos, pelo menos", há um "acordo" entre chefes de facções e o governo paulista — Ciro, porém, não especificou que tipo de "acordo" é esse.

O pré-candidato acrescentou: "Aqui [em São Paulo] se frauda os indicadores de homicídio. São Paulo não cumpre a metodologia determinada pelo Ministério da Justiça para apurar os homicídios".

Conhecido pelo temperamento irascível e pelas declarações destemperadas, Ciro brincou após Bergamo pedir um adjetivo para definir o presidente Michel Temer — de quem o pedetista é crítico.

"Vamos ver o adjetivo que vou usar nesta minha versão estadista…", brincou Ciro, para risadas da plateia. "Enojante. O Temer é uma figura enojante."

Veja também:

Em evento de jornal, Gilmar diz que jornalistas “palpitam sobre o que não conhecem”

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here

Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.