A campanha do governo sobre mortes no trânsito deixou muita "gente boa" irritada

    Mote da peça é que acidentes podem ser causados por qualquer pessoa, até "quem planta árvores" ou "distribui amor pela cidade".

    by ,

    Na semana passada, o governo federal lançou uma campanha publicitária com o objetivo de conscientizar a população sobre acidentes de trânsito.

    Reprodução

    O mote da campanha, produzida pela agência nova/sb, é que qualquer pessoa — inclusive "gente boa" — pode causar um acidente fatal de trânsito, seja por imprudência ou negligência.

    Reprodução

    O filme está no Facebook do Ministério dos Transportes, e muitos comentários criticam o tom da propaganda.

    Mas as críticas mais pesadas vieram de quem viu a campanha impressa, com as mesmas frases do vídeo, mas sem o contexto que é apresentado na outra versão.

    Alguem entendeu essa campanha do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil?

    tentando entender a lógica dessa campanha do ministério dos transportes

    Por outro lado, teve gente que gostou da campanha — e achou que o problema estava nos olhos de quem interpretou.

    Adorei a campanha "Gente boa também mata". Eu substituiria por "Gente de bem" pra causar mais alvoroço.

    Gente Boa Também Mata serviu pra alertar sobre acidentes de trânsito e pra mostrar q vocês precisam de aulas de interpretação

    Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República disse que o objetivo da campanha "é chamar a atenção para atitudes que até mesmo pessoas comuns podem ter ao volante, sem avaliar as consequências". Leia a íntegra:

    Sobre a polêmica gerada pela campanha “Gente boa também mata”, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República esclarece que as peças publicitárias abordam acidentes de trânsito causados a partir das cinco condutas mais perigosas segundo as estatísticas da Polícia Rodoviária Federal. São elas: embriaguez ao volante, excesso de velocidade, ultrapassagens irregulares, uso de aparelho celular e não utilização de dispositivos de segurança. O objetivo do governo é chamar a atenção para atitudes que até mesmo pessoas comuns podem ter ao volante, sem avaliar as consequências.

    A campanha é dividida em linhas de comunicação por etapas. Na primeira, o objetivo é chocar e chamar atenção para as práticas que geram acidentes involuntários por pessoas que não tem perfil de risco. Em sua segunda fase, a campanha explica de forma mais didática os cuidados para se evitar os problemas ao conduzir veículo automotor.

    O alerta que se faz é que não apenas o motorista estereotipado como "inconsequente" provoca acidente. Mesmo que involuntariamente, qualquer cidadão pode causar acidentes graves e até mortes no trânsito com pequenas atitudes, como mandar um whatsapp enquanto conduz, desviar a atenção das ruas ao trocar a música no rádio ou fazer uma ultrapassagem em locais de risco, sem visibilidade ou em trecho com faixa continua. As mortes no trânsito estão entre as dez principais causas de óbitos no país. É essa realidade que o Governo Federal quer mudar.

    Veja também:

    Ministério do Trabalho errou ao comparar férias no Brasil com outros países

    O Ministério da Saúde tentou usar uma gíria de internet e deu tudo errado

    Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

    Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

    Susana Cristalli é redatora do BuzzFeed, em São Paulo.

    Contact Susana Cristalli at susana.cristalli@buzzfeed.com.

    Got a confidential tip? Submit it here

    Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

    Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.