go to content

Tudo que aconteceu na política brasileira nesta semana

Uma ajuda para quem está perdido com tanto acontecimento.

publicado

A semana começou com o protesto a favor do impeachment no domingo (13), que parte da imprensa chamou de "o maior ato político da história do Brasil".

Paulo Whitaker / Reuters

O Datafolha disse que cerca de 500 mil pessoas compareceram ao protesto em São Paulo, na Avenida Paulista. A Polícia Militar falou em 1,4 milhão de manifestantes. Manifestantes saíram às ruas em 326 cidades em todo o Brasil. Segundo os organizadores, foram ao todo 6,8 milhões de pessoas; de acordo com as PMs, 3,6 milhões.

O perfil do manifestante continuou o mesmo de outros protestos anti-Dilma: renda alta e média de idade de 45 anos.

Na segunda-feira, a Justiça Federal divulgou, na íntegra, o depoimento que Lula deu à Polícia Federal no último dia 4 de março.

Durante o depoimento que aconteceu no dia da condução coercitiva, Lula negou novamente ser dono do sítio em Atibaia ou do triplex no Guarujá (SP). Disse ainda que a investigação era para ele é uma "sacanagem homérica".

Trechos do depoimentos de Lula, em especial as partes em que o ex-presidente fala de comida, se tornaram piadas na internet.

No mesmo dia, começaram a pegar força informações de que Lula poderia vir a ocupar algum cargo no governo Dilma.

Ricardo Moraes / Reuters

Falava-se que o petista poderia ir para a Casa Civil, no lugar de Jaques Wagner (o que acabou acontecendo), ou para a Secretaria de Governo, no lugar de Ricardo Berzoini.

Apesar da resistência de parte do PT e dúvidas do próprio Lula, aceitar o ministério daria ao ex-presidente foro privilegiado, o que o protegeria das investigações de Sérgio Moro. Lula, porém, continuará a ser investigado pelo STF.

Na terça-feira, o Superior Tribunal de Justiça manteve a condenação do "japonês da federal" por corrupção.

Giuliano Gomes

O STJ negou parcialmente o recurso de Newton Ishii, conhecido como "japonês da federal". A Justiça Federal o condenou por corrupção e descaminho por ele ter facilitado a entrada no Brasil de produtos contrabandeados do Paraguai.

E veio a público a íntegra da delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), que concordou em devolver R$ 1,5 milhão aos cofres públicos.

Ueslei Marcelino / Reuters

O acordo de delação premiada prevê que Delcídio possa continuar como senador e diz que ele só pode ser condenado, no máximo, a 15 anos de prisão.

Em sua delação, Delcídio afirmou que Aloísio Mercadante, o ministro da Educação, teria oferecido ajuda financeira em troca do silêncio do senador petista.

Ueslei Marcelino / Reuters

José Eduardo Marzagão, assessor de Delcídio, gravou conversas que teve com ministro e entregou à PGR (Procuradoria-Geral da República). Segundo Marzagão, Mercadante ofereceu ajuda política e financeira para fazer com que o senador petista não contasse tudo o que sabe à investigação da Operação Lava Jato.

Mercadante afirmou que não tentou impedir a delação de Delcídio e que "trechos do diálogo foram omitidos". Ele isentou a presidente Dilma de responsabilidade e disse que foi conversar por conta própria.

Na quarta-feira (16) acordamos com mais um desdobramento do acordo de Delcídio: a denúncia de a família de Aécio Neves tem uma conta, aberta por doleiros, no paraíso fiscal Liechtenstein.

Ueslei Marcelino / Reuters

Delcídio cita o acordo de Delação premiada a conta da família de Aécio em Liechtenstein -- um minúsculo principado localizado no centro da Europa, encravado nos Alpes entre a Áustria e a Suíça. À Época, a família do senador disse que a conta, com cerca de saldo de US$ 30 mil, tem a finalidade de "prover os estudos dos netos".

Durante a tarde de quarta, Lula foi anunciado como o novo ministro-chefe da Casa Civil, um dos cargos mais importantes do governo.

facebook.com

O ministro-chefe da Casa Civil tem como função assessorar diretamente a presidente na coordenação de ações de governo —o que inclui aí o gerenciamento do trabalho dos outros 38 ministérios (saiba mais aqui). Resumindo: a Casa Civil é o ministério mais importante, sob todos os aspectos.

No fim da mesma tarde, o juiz Sérgio Moro divulgou grampos de ligações de Dilma e Lula.

Nelson Almeida / AFP / Getty Images

Em um dos diálogos entre Dilma e Lula, a presidente diz que vai receber o termo de posse do novo ministro-chefe da Casa Civil, mas que vai usá-lo "apenas em caso de necessidade". Investigadores da Lava Jato interpretaram o diálogo como uma tentativa de Dilma de evitar uma eventual prisão de Lula pois, como ministro, ele tem foro privilegiado. Dilma afirmou posteriormente que o documento era para ser usado caso Lula não pudesse comparecer ao evento de posse devido a uma enfermidade da mulher, Marisa.

Há ainda outras conversas, como a de Lula com o ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner e com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

O diálogo entre Dilma e Lula virou piada nas redes sociais.

Lula: Alô Dilma vc passou cerol na linha telefônica??? Dilma: não pq?? Lula: pq a ligação ta cortando kkk flw

Na noite desta quarta-feira, com ânimos acirrados, manifestantes foram às ruas em São Paulo, Brasília (DF) e outras cidades contra a nomeação de Lula.

Evaristo Sa / AFP / Getty Images

A Polícia disse que cerca de cinco mil pessoas foram à Avenida Paulista, em São Paulo. Aproximadamente o mesmo número de manifestantes cercaram o Congresso e a Praça dos Três Poderes, em Brasília, diante do Palácio do Planalto.

Na manhã desta quinta-feira (17), parte dos manifestantes seguia ainda na Avenida Paulista.

Agência Brasil

Por volta das 7 horas da manhã, o grupo era composto por cerca de 50 pessoas, mas a expectativa é que o número de manifestantes cresça ao longo do dia.

Por volta das 10 horas, aconteceu cerimônia de posse de Lula como ministro-chefe da Casa Civil. A presidente fez um discurso e comentou o vazamento da sua ligação com Lula.

Evaristo Sa / AFP / Getty Images

O deputado Major Olímpio (SD-SP) gritou "vergonha" e foi retirado da cerimônia pelos seguranças do palácio. Lula assinou o termo de posse e foi aplaudido pela platéia, formada majoritariamente pela base aliada do governo. Dilma fez um discurso, quando disse: "a gritaria dos golpistas não vai me tirar do rumo".

Na ocasião, ela mostrou o suposto "Termo de Posse" que é citado na gravação e que no momento ainda estava sem a sua assinatura. Ela explicou que ele serviria para o caso de Lula não poder comparecer à cerimônia de posse, já que sua esposa está internada no hospital com suspeita de H1N1.

Mas em menos de uma hora após a posse, um juiz suspendeu a nomeação de Lula. O governo avisou que iria recorrer.

Adriano Machado / Reuters

Segundo o juiz Itagiba Catta Preta Neto, há suspeita de que Dilma cometeu crime de responsabilidade. "A posse de Lula oferece risco para as investigações em curso e se trata de uma 'questão complexa'", diz trecho da decisão. Dilma disse que "essas reações eram mais do que esperadas" e só confirmam o acerto da sua posição.

E em uma sessão tumultuada, a Câmara elegeu a comissão de deputados que vai analisar o impeachment.

TV Câmara

A comissão será formada por 65 deputados. Embora no papel o governo tenha maioria, na prática há uma divisão equilibrada entre apoiadores e adversários de Dilma.

E foi derrubada a liminar que impedia Lula de ser ministro.

Igo Estrela / Getty Images

Com a queda da liminar, Lula mantém a posição de ministro-chefe da Casa Civil. Mas segundo a Folha de S.Paulo, tribunais em todo o país já receberam mais de 50 ações com o objetivo de impedir que Lula ocupe o cargo de ministro.

Este post será atualizado quando surgirem novas informações.

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss