back to top

Tarja preta em relatório da PF revela nome de José Serra quando removida

Pessoas começaram a postar no Facebook que um simples ctrl+c e ctrl+v permite ler os nomes sob as tarjas. Documento da Lava Jato esconde ainda o nome do governador Fernando Pimentel (PT-MG), mas expõe o de outros políticos. PF diz que não vai comentar o caso.

publicado

A Polícia Federal elaborou um relatório com o conteúdo dos celulares do presidente de uma das maiores construtoras do país, Marcelo Odebrecht, preso na 14ª fase da operação Lava Jato, que investiga corrupção na Petrobras.

Marcelo Bahia Odebrecht foi indiciado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro, fraude em licitações e crime contra a ordem econômica. O documento conta com 31 páginas e foi disponibilizado na íntegra pelo Estadão. Como apontou o jornal, o maior empreiteiro do país usava siglas em mensagens de texto para referir-se a políticos, como GA (Geraldo Alckmin) e MT (Michel Temer).
Twitter: @blogdopim

Marcelo Bahia Odebrecht foi indiciado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro, fraude em licitações e crime contra a ordem econômica. O documento conta com 31 páginas e foi disponibilizado na íntegra pelo Estadão. Como apontou o jornal, o maior empreiteiro do país usava siglas em mensagens de texto para referir-se a políticos, como GA (Geraldo Alckmin) e MT (Michel Temer).

Alguns trechos do documento estão cobertos por uma tarja preta, como na página 12. A Polícia dá correspondentes para todas as siglas citadas neste parágrafo, menos para a sigla "JS".

Algumas pessoas começaram a postar no Facebook que era possível ler o conteúdo escondido. Rodrigo Vinholo ensinou como fazer. "Se você selecionar, copiar esse texto e colar em qualquer editor de texto, o conteúdo se torna legível".

Facebook: rodrigo.vinholo

Usando a tática dá para ler que é o nome de José Serra que está escondido.

José Serra é senador de São Paulo pelo PSDB.
Reprodução

José Serra é senador de São Paulo pelo PSDB.

O nome de José Serra aparece mais vezes no relatório, como esta menção na página 13.

É só copiar e colar o conteúdo para revelar o que está escrito. Tente você mesmo no documento. O trecho dá um telefone e um endereço de José Serra. "Identificação de Jose Serra (JS) o telefone da secretária (11) 3087.XXXX está registrado em nome de Jose Serra, o endereço da Joaquim Xxxxxx, possui telefone (11) 2157.XXXX registrado em nome de Jose Serra."
politica.estadao.com.br

É só copiar e colar o conteúdo para revelar o que está escrito. Tente você mesmo no documento.

O trecho dá um telefone e um endereço de José Serra. "Identificação de Jose Serra (JS) o telefone da secretária (11) 3087.XXXX está registrado em nome de Jose Serra, o endereço da Joaquim Xxxxxx, possui telefone (11) 2157.XXXX registrado em nome de Jose Serra."

Outros trechos censurados escondem o nome de Fernando Pimentel, governador de Minas Gerais pelo PT.

Copiando e colando o trecho, lemos: "Adiante Marcelo utiliza a sigla FP – verificando as demais anotações constantes do aparelho em análise, verifica-se que tais letras são as iniciais de Fernando Pimentel (atual governador de Minas Gerais) – para escrever a enigmática frase “ela cai eu caio”. Inclusive o endereço supracitado é o mesmo encontrado no cadastro de pessoa física (CPF) de Fernando Damata Pimentel."
politica.estadao.com.br

Copiando e colando o trecho, lemos: "Adiante Marcelo utiliza a sigla FP – verificando as demais anotações constantes do aparelho em análise, verifica-se que tais letras são as iniciais de Fernando Pimentel (atual governador de Minas Gerais) – para escrever a enigmática frase “ela cai eu caio”. Inclusive o endereço supracitado é o mesmo encontrado no cadastro de pessoa física (CPF) de Fernando Damata Pimentel."

Na página 2 há uma explicação para a censura: "em alguns pontos deste relatório foram colocadas tarjas a fim de preservar informações sobre possíveis agentes cujos cargos detém prerrogativa de foro".

O que não explica, porém, por qual motivo os nomes de Geraldo Alckmin, governador de SP, e Michel Temer, vice-presidente da República, estão expostos, enquanto os de José Serra, senador de SP, e Fernando Pimentel, governador de MG, estão escondidos.Além destes, estão ocultos também os nomes de Carlos Zaratini (PT-SP), José Eduardo Cardozo (PT) Luís Inácio Lucena Adams (AGU), Fernando Haddad (PT-SP), e Blairo Maggi (PR-PR).
politica.estadao.com.br

O que não explica, porém, por qual motivo os nomes de Geraldo Alckmin, governador de SP, e Michel Temer, vice-presidente da República, estão expostos, enquanto os de José Serra, senador de SP, e Fernando Pimentel, governador de MG, estão escondidos.

Além destes, estão ocultos também os nomes de Carlos Zaratini (PT-SP), José Eduardo Cardozo (PT) Luís Inácio Lucena Adams (AGU), Fernando Haddad (PT-SP), e Blairo Maggi (PR-PR).

O BuzzFeed Brasil entrou em contato com a assessoria da Polícia Federal para tentar entender por que alguns nomes estão com tarja e outros não. Por telefone, a assessoria de imprensa afirmou que a PF não dará explicações sobre o caso.