back to top

10 vezes em que cartunistas nos ajudaram a pensar sobre o Brasil

Com o ataque à revista francesa Charlie Hebdo, muito foi falado sobre cartuns. Resolvemos lembrar aqui alguns exemplos importantes de cartunistas brasileiros

publicado

"A natureza do humor é ser contra. Contra a autoridade, o estabelecido. A natureza do humor é revelar o que está escondido por trás da aparente normalidade, do poder."

A frase é do cartunista brasileiro Claudius Ceccon, um dos fundadores do Pasquim, publicação semanal que surgiu em 1969 e que fazia oposição à ditadura militar com sátiras e cartuns.

Georges Wolinski, cartunista da Charlie Hebdo, assassinado no ataque terrorista no último dia 7 em Paris, disse que "os humoristas são amantes da liberdade" e que com a contribuição dos cartunistas "o futuro parece mais democrático do que o passado".

No Brasil, cartunistas nos ajudaram a entender e questionar vários momentos históricos do país.

1. Cartum do Henfil durante o movimento das Diretas Já.

pimentacomlimao.wordpress.com

O cartunista e jornalista Henfil foi quem chamou pela primeira vez o movimento pelas eleições diretas para presidente de Diretas Já. O mineiro fez dezenas de charges pró-democracia --morreu em 1988, um antes de ver o brasileiro votar.

2. Sátira do Jaguar de música tema da Copa do Mundo de 70.

fotos.noticias.bol.uol.com.br

Charge de Sérgio de Magalhães Gomes Jaguaribe, o Jaguar, tira sarro de letra de música da época tema da Copa do Mundo de 70. Foi publicada no Pasquim durante a ditadura militar.

3. Crítica de Claudius Ceccon à repressão durante o período de ditadura militar.

brasileiros.com.br

Claudius Ceccon, um dos maiores nomes de cartunismo brasileiro, foi preso pela ditadura e depois foi para Genebra em 1971 como exilado político. Na charge acima ele faz piada com o nome do DOPS, Departamento de Ordem Política e Social, cujo objetivo era controlar e reprimir movimentos políticos e sociais contrários ao regime no poder.

4. Cartum de Luiz Agner sobre a situação da saúde brasileira na era FHC.

scielo.br

Luiz Agner, cartunista carioca que começou a desenhar no Pasquim com 16 anos, debochou no cartum de frase do economista Antonio Delfim Netto, ministro da fazenda durante o regime militar, entre 1969 e 1974, para chamar atenção para as condições da saúde no país. Delfim costuma dizer que era preciso “fazer o bolo crescer, para depois dividi-lo”, em referência à economia nacional.

6. Tirinha de André Dahmer sobre homossexualidade.

malvados.com.br

André Dahmer mantém o site Malvados com críticas politicamente incorretas aos costumes e prisões do dia-a-dia. Homossexualidade, corrupção e ganância são alguns dos temas preferidos do carioca.

9. Crítica de Glauco à grandes metrópoles.

www2.uol.com.br

Glauco criou o personagem Zé Malária para criticar o comportamento dos habitantes das grandes cidades e para mostrar como crescemos desconectados da natureza.

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss