back to top

Nova fase da Lava Jato se chama Resta Um, mas não é por causa do Lula

Nome da operação é uma referência à Queiroz Galvão, a última das grandes empreiteiras do país suspeitas de cartel. Veja o mapa das propinas pagas a PT, PSDB e PP.

publicado

Na manhã desta terça (2), a Polícia Federal realizou mais uma fase da Operação Lava Jato, batizada de Resta Um.

A PF deflagrou, hoje, a 33ª Fase da Operação Lava Jato, intitulada #OperaçãoRestaUm. https://t.co/R1oqqWoK5G

Pelo suspense, o nome chamou a atenção de muita gente na internet:

OPERAÇÃO RESTA UM ADVINHA QUEM https://t.co/GJAStDdy7n

Quem será?

Se você chutou Lula, está...

O nome Resta Um seria um indício de que a Lava Jato está chegando ao fim? Esperamos que sim, desde que prendam em breve o "Poderoso Chefão".

Resta um! Resta o Lula https://t.co/SSlph0svdU

...errado.

Errou!!!

Segundo a PF, o nome Resta Um é uma referência ao fato de a Queiroz Galvão — alvo da operação — ser a última das grandes empreiteiras que integravam o cartel da Petrobras a ser investigada na Lava Jato.

#OpRestaUm 33ª fase da Lava Jato investiga a participação de construtora no chamado “cartel das empreiteiras”.

O juiz Sergio Moro decretou a prisão do ex-presidente da QG Ildesonso Collares e ao executivo do grupo, Othon Zanoide Moraes, com base nas evidências de que o grupo pagou propina a dirigentes da Petrobras e e a partidos políticos.

O destino da propina –pelo menos R$ 10 milhões já rastreados–tiveram como destino o PT e o PP, partidos que indicaram diretores da Petrobras, e outros R$ 10 milhões destinados ao PSDB para enterrar uma CPI sobre a Petrobras em 2009.

Os principais pontos do despacho de Moro:

  • R$ 7.500.000,00 em propinas foram pagos em 2010 por doações oficiais ao Partido Progressista e seus agentes, conforme declarado por dois criminosos colaboradores, Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa. Foram apreendidas mensagens eletrônicas trocadas entre Alberto Youssef e o executivo Othon Zanóide de Moraes Filho [da QG].

  • R$ 250.000,00 em propinas foram repassados, em 03 de janeiro de 2011, pelo Consórcio Ipojuca Interligações, formado pela Queiroz Galvão e pela IESA, para a empresa de fachada Empreiteira Rigidez, que seria controlada por Alberto Youssef, com simulação de que se trataria de remuneração por serviços prestados. Tratando-se de empresa de fachada, não há em princípio causa econômica lícita para o repasse.

  • R$ 1,28 milhão em propinas foram repassados, em 11 de abril de 2012, da Queiroz Galvão para a empresa KFC Hidrossemeadura, que seria utilizada ao operador Leonardo Meirelles, a pedido de Alberto Youssef.
  • R$ 563 mil em propinas foram repassados, entre abril e setembro de 2013, pela Queiroz Galvão para a empresa Costa Global Consultoria, do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, com simulação de que se trataria de remuneração por serviços prestados. O próprio Paulo Roberto Costa confirma que não foram prestados quaisquer serviços.

  • Milhões de dólares em propinas foram repassados em operações com contas secretas no exterior, mas a maior parte dessas transações ainda não encontram discriminação exata ou prova de corroboração.
  • Ainda assim, presentes depoimentos e prova material de corroboração de repasses milionários no exterior pela Quip S/A, empresa liderada pela Queiroz Galvão, a Pedro José Barusco Filho, mediante utilização da empresa offshore Quadris e de diversas contas no exterior, com intermediação da conta em nome da off-shore Maranelle Investments do intermediador de propinas Mario Góes.

  • R$ 10 milhões em propinas teriam sido repassados pela Queiroz Galvão para o então presidente do PSDB e senador Sérgio Guerra (PE, morto em 2011), para enterrar a CPI mista da Petrobrás de 2009. Apesar da falta de rastreamento, o fato é afirmado por três delatores e encontra respaldo em gravação em áudio e vídeo de reunião entre os envolvidos, entre eles, presente pela Queiroz Galvão Ildefonso Colares Filho.

Este post será atualizado ao longo do dia.


Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss