back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Presidente de partido que vai lançar Bolsonaro emprega cinco parentes em seu diretório

Adilson Barroso, que preside o PEN, diz que contratou dois irmãos e três sobrinhos para se cercar de pessoas em quem confia.

publicado

O diretório do Partido Ecológico Nacional (PEN), sigla a que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) pretende se filiar para concorrer à Presidência, abriga ao menos cinco parentes de seu presidente, o vereador de Barrinha (SP) Adilson Barroso.

Segundo a prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a fonte dos salários é o Fundo Partidário.

De acordo com os documentos anexadas à prestação de contas no TSE, dois irmãos, dois sobrinhos e o filho de uma sobrinha de Adilson estão na folha de pagamento do partido.

Ao todo, os salários dos parentes do presidente somam R$ 13.880 por mês, fora os descontos exigidos em lei e os benefícios.

O presidente do partido, Adilson Barroso, disse em entrevista ao BuzzFeed Brasil que contratou seus parentes porque queria cercar-se de pessoas em quem confia.

"No início do PEN, antes, eu tinha dificuldade em montar o diretório, ninguém queria vir. Eu fui pegando pessoas de minha confiança, por isso parentes", ele afirmou.

As contas do partido foram assinadas por Adilson e um de seus irmãos, Aguinaldo Barroso de Oliveira, que é o tesoureiro do partido. "No caso do tesoureiro, eu preciso colocar alguém de minha confiança. Mas dei baixa [demiti] em vários no início do ano", afirmou o presidente da sigla.

Em 2016, o PEN recebeu R$ 6,9 milhões do Fundo Partidário, reserva pública que é distribuída aos partidos políticos proporcionalmente à votação que obtiveram na última eleição.

Partidos nanicos, como é o caso do PEN — cuja bancada em Brasília é composta por três deputados e nenhum senador —, costumam ter como única fonte de receita o fundo público.

Com a chegada de Bolsonaro, o número de deputados do PEN irá aumentar — além dele, outros parlamentares de seu grupo político, como o filho Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), também devem se filiar à sigla.

Assim, a parcela do Fundo Partidário destinada ao PEN deve crescer.

Segundo o balanço do partido, os gastos com recursos do fundo partidário somaram, no ano passado, R$ 9,9 milhões. O valor inclui o dinheiro recebido em 2016, mas também reservas de anos anteriores que não haviam sido gastas.

Gastos que utilizaram dinheiro de outras fontes, por sua vez, somaram apenas R$ 6.653,89.

Assim como Bolsonaro, Barroso é dissidente do PSC, partido ligado a denominações evangélicas que lançou o pastor Everaldo à Presidência em 2014.

A saída de Bolsonaro do PSC era dada como certa desde o início do ano, quando ele entrou em rota de colisão com Everaldo.

A relação deles estava em bons termos até o ano passado, quando, inclusive, Everaldo batizou Bolsonaro no rio Jordão, em Israel.

Mas conforme vieram à tona informações sobre a delação da Odebrecht, afirmando que Everaldo recebeu R$ 6 milhões não contabilizados na campanha de 2014 — de acordo com dois delatores da empresa —, Bolsonaro passou a fustigar o ex-aliado.

Em diversas entrevistas, o deputado fez questão de lembrar que Everaldo foi citado na lista da Odebrecht, no âmbito da Lava Jato.

Bolsonaro só deve concretizar sua saída do PSC e sua filiação ao PEN no início do ano que vem.

A lei eleitoral proíbe que parlamentares mudem de partido no meio do mandato. Eles têm que esperar a janela partidária, que deve ocorrer em março de 2018 — mas pode ser antecipada pela reforma política —, para trocar de sigla.

Veja também:

Proposta de reforma pode atrapalhar candidatos de siglas nanicas, como Bolsonaro e Marina

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.