back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Leia os principais trechos da entrevista em que Temer admite que pode mudar diretor da PF

Sobre Rocha Loures, o ex-assessor filmado com uma mala de R$ 500 mil, Temer isentou-se: "Não me senti traído porque não tenho nada a ver com isso."

publicado

O presidente Michel Temer (PMDB) admitiu que pode mudar o comando da Polícia Federal. A declaração foi dada à revista IstoÉ, que publicou uma entrevista com Temer nesta sexta (2).

Leia abaixo as principais frases que o presidente disse.

Polícia Federal e continuidade da Lava Jato

Uma eventual mudança no comando da Polícia Federal, possibilidade que circula há meses e ganhou força após Torquato Jardim trocar o Ministério da Transparência pela pasta da Justiça, não foi descartada por Temer.

"Primeiro, vou verificar qual é a perspectiva que ele, Torquato, tem em relação aos vários órgãos que existem lá no Ministério, incluindo a Polícia Federal", declarou o presidente à IstoÉ.

Ele, no entanto, afirmou que mesmo com uma possível saída de Leandro Daiello do cargo de diretor-geral da PF, a Lava Jato não sofreria.

"Só seria mal interpretada se você dissesse assim: só existe uma pessoa na Polícia Federal capaz de comandá-la. Mas isso desmerece a instituição e tenho certeza que o próprio diretor não pensa dessa maneira", disse Temer à revista.

"A mudança do diretor da PF vai depender do novo ministro."

Rocha Loures, o homem da mala de propina

Publicidade

Temer também comentou sua relação com o ex-deputado e ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), cuja prisão foi pedido novamente pela Procuradoria-Geral da República nesta quinta (1º).

Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil de um executivo da JBS. O vídeo faz parte do inquérito que o investiga junto com Temer, que tramita no Supremo Tribunal Federal.

"Eu duvido que ele faça uma delação", afirmou Temer à IstoÉ. "E duvido que ele vá me denunciar. Primeiro, porque não seria verdade. Segundo, conhecendo-o, acho difícil que ele faça isso", completou o presidente.

Ele classificou a atitude do ex-assessor como "isolada", e disse que o dinheiro não iria para o partido de ambos, o PMDB. "Não sei a que atribuir isso, se atribuo à ingenuidade suprema, porque o sujeito pegou uma mala numa pizzaria", disse.

Questionado se sentiu-se traído por Rocha Loures, Temer disse: "Não me senti traído porque não tenho nada a ver com isso."

Falta de apoio no Congresso

Em outros trechos da entrevista, Temer negou que esteja perdendo apoio na Câmara e no Senado. "O Congresso continua a legislar. Então vamos ver lá para frente", afirmou o presidente.

Instado a comentar se renunciaria caso perca o apoio do PSDB — principal aliado do governo no Legislativo —, Temer rechaçou a hipótese.

"Vou esperar perder o apoio primeiro, né, para depois examinar. Não estou perdendo o apoio. O que eu vejo é muito achismo. E achismo no sentido de que o governo paralisou, o país não vai para frente", ele disse.

O presidente justificou sua posição com base nas votações da Câmara — que, segundo ele, mostram que o Congresso está funcionando. "Na semana passada, houve um fato inusitado legislativamente. Foram aprovadas sete medidas provisórias. É interessante, o Brasil ganhou até mais agilidade."

Veja também:

Grampos indicam que TV Record negociou entrevista com Temer em troca de patrocínio na Caixa

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.