back to top

Mais mulheres relataram assédio de sócio da Playboy após reportagem do Fantástico

Nove modelos processam dois sócios da revista, o fotógrafo André Sanseverino e o empresário Marcos Aurélio de Abreu Rodrigues e Silva. "Ele me chamou no WhatsApp já tentando me comprar, falando das fulanas e ciclanas que ele deixou famosa", disse uma das modelos ao BuzzFeed Brasil.

publicado

Mais mulheres relataram casos de assédio envolvendo um dos sócios da Playboy, o fotógrafo André Sanseverino, após uma reportagem do Fantástico revelar neste domingo (23) que nove modelos processam a revista por episódios semelhantes.

"Ele é um assediador contumaz", afirma o advogado Marcello Lombardi, que representa as mulheres. Outro sócio da Playboy, Marcos Aurélio de Abreu Rodrigues e Silva, também é suspeito de ter assediado modelos durante uma festa da revista.

Reprodução

As modelos trabalharam como "coelhinhas" em uma festa promovida pela revista em agosto do ano passado, em Florianópolis. Após o evento, segundo elas, Sanseverino as procurou com mensagens inapropriadas, como a exibida acima.

Ele prometia promover as carreiras delas em troca de sexo.

"Transformo modelos em musas", ele diz em uma mensagem anexada à ação, que corre no Tribunal de Justiça do Paraná.

André Sanseverino (à esq.) e Marcos Aurélio, durante a festa em Florianópolis.
Divulgação

André Sanseverino (à esq.) e Marcos Aurélio, durante a festa em Florianópolis.

Para convencer as modelos, Sanseverino citava atrizes da Globo como exemplos de mulheres que teriam aceitado fazer sexo com ele em troca de fama.

No entanto, diante de respostas negativas das modelos, o fotógrafo começou a boicotá-las — deixou de chamá-las para eventos da Playboy e passou a falar mal delas a outros profissionais, segundo a ação.

Por isso, as modelos pedem indenização na Justiça também por não terem conseguido novos trabalhos, de acordo com o advogado Lombardi.

"Fizemos um laudo psicológico que mostra os danos que esse assédio causou", ele afirma.

Uma das modelos disse que o outro sócio da Playboy que é citado na ação, Marcos Aurélio de Abreu Rodrigues e Silva, a agarrou e beijou à força durante a festa.

De acordo com Lombardi, uma repórter do jornal Diário Catarinense viu o episódio e concordou em testemunhar. "Não importa a profissão. Ela poderia estar nua. Poderia ser dentista, advogada, modelo ou prostituta — 'não' é 'não'", diz Lombardi.

Após a reportagem, outras modelos relataram casos de assédio por parte de Sanseverino. A modelo Júlia Sampaio publicou em seu Instagram prints de conversas com o fotógrafo.

"Ele me chamou no WhatsApp já tentando me comprar, falando das fulanas e ciclanas que ele deixou famosa", contou Júlia ao BuzzFeed Brasil. A partir disso, a modelo passou a ignorá-lo.

"De ontem para hoje, umas 50 mulheres nos procuraram", disse o advogado Lombardi, que pode incluí-las na ação que já corre.

Reprodução

Sanseverino virou sócio da Playboy em 2015, quando a Editora Abril encerrou o contrato que mantinha com o título americano.

Ele queria publicar a revista, mas não tinha dinheiro. O outro sócio acusado, Marcos Aurélio, foi quem financiou a operação.

Reprodução

Sanseverino é amigo de um dos oito filhos de Marcos Aurélio, segundo a revista Piauí, e foi assim que conseguiu uma reunião com o empresário. Ele é dono da Employer, empresa que oferece serviços de recursos humanos e terceirização, como segurança e limpeza.

Há ainda um terceiro sócio, Edson Marcos de Oliveira, que não é suspeito de assédio. Nesta segunda (24), ele publicou uma nota no Facebook da Playboy e negou ter sido citado.

Reprodução

Leia a íntegra:

Diante da repercussão envolvendo a Playboy Brasil, vários questionamentos via WhatsApp, call, mensagens de amigos, parentes e etc, é com pesar que me sinto obrigado a vir a público esclarecer:

1. Sim! Como é sabido por todos sou 1 dos 3 sócios da Playboy Brasil.

2. Sim, são meus dois sócios que estão envolvidos ou acusados desse lamentável fato, os senhores André Sanseverino e Marcos Aurélio de Abreu Rodrigues e Silva.

3. Não! Como demonstrado na matéria não tenho qualquer envolvimento com esse lamentável episódio.

4. Estou perplexo com esse fato e com tudo o que foi noticiado pelo programa Fantástico da Rede Globo.

5. Supostamente houve prática de assédio por parte deles, aos quais eu recomendo imediato afastamento das atividades da empresa, ocasião em que desejamos, de forma franca e honesta poderão (sic) colaborar para elucidar e/ou esclarecer todos os fatos e assumir suas responsabilidades e eventuais consequências.

6. Repudio com veemência o assédio de qualquer forma e peço as mais sinceras desculpas todas as mulheres (sic), em especial as supostas vítimas pelo constrangimento, com os quais me solidarizo e torço para que superem esse momento, pois ao longo da história a Playboy sempre coadjuvou a defesa das questões da liberdade, independência e empoderamento das mulheres não somente no Brasil, bem como, por todo o mundo.

Minutos depois, ele publicou outro texto, dizendo que a senha de seu email havia sido trocado sem seu consentimento.

Ambas as mensagens foram apagadas à tarde.

Reprodução

O BuzzFeed Brasil ligou para o celular de Sanseverino na tarde desta segunda (24), mas o telefonema caiu na caixa postal.

Em nota divulgada na noite de domingo, a Playboy diz ter afastado Sanseverino "por prazo indeterminado".

"Acreditamos de forma franca e honesta que ele deverá colaborar para elucidar os fatos até que as denúncias sejam apuradas", diz o texto. Leia a íntegra abaixo.

“Informamos que decidimos pelo total afastamento do sócio André Sanseverino, por prazo indeterminado, de quaisquer atividades relacionadas à Playboy.

Assim, qualquer declaração dada por André Sanseverino não reflete em absolutamente nada os valores da Playboy. O mesmo encontra-se afastado da empresa e não responde mais pela mesma.

Acreditamos de forma franca e honesta que ele deverá colaborar para elucidar os fatos até que as denúncias sejam apuradas.

A Playboy, ao longo de sua história, vem coadjuvando em defesa e em busca da liberdade e empoderamento das mulheres, não somente no Brasil, mas em todo o mundo. E não será diferente neste momento."

Veja também:

Aqui estão alguns sinais de que a "cantada" na verdade é assédio

Usuárias de Uber reclamam das respostas da empresa após denúncias de assédio

Uma busca de emprego na OLX virou um assédio sexual em massa

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.