16 lugares surpreendentes para adicionar à sua lista de coisas a fazer antes de morrer

Pegue a estrada irregular, empoeirada e espetacular.

1. O tour de Mont Blanc - França, Itália e Suíça.

Flickr: akunamatata / Creative Commons

Flickr: masondan / Creative Commons

Flickr: akunamatata / Creative Commons

 

Distância: 105 milhas (170 km), de sete a onze dias.
Dificuldade: de moderada a alta.
Quando ir: entre julho e setembro.

O Tour de Mont Blanc é considerado a clássica caminhada de longa distância da Europa e, por isso também, uma das suas mais populares. Um caminho em espiral circunda o Mont Blanc, o pico mais alto dos Alpes, e passa por seções de rochas expostas, planícies de flores silvestres e vistas de incríveis geleiras. A distância percorrida por dia pode ser relativamente baixa, mas as significativas subidas e descidas (quando combinadas, cerca de 10 mil metros) podem tornar esses dias bastante cansativos. Acampar é permitido, mas a rota oferece acomodação abundante - e de acordo com alpinistas experientes, explorar as aldeias ao longo do percurso é parte da diversão.

2. Parque Nacional Torres del Paine - Chile

Flickr: bugmonkey / Creative Commons

Flickr: ostrosky / Creative Commons

Flickr: andreslabbe / Creative Commons

 

Distância: 62 milhas (100 km), oito dias.
Dificuldade: de moderada a alta.
Quando ir: entre novembro e abril.

As Torres del Paine (também conhecidas como “as torres”) referem-se aos monolitos de granito retorcidos que alcançam 3.000 metros de altura e em torno dos quais este circuito dá voltas. Estas torres são apenas parte da paisagem surreal que as trilhas da Patagônia oferecem, lado a lado com grandes geleiras azuis, penhascos ponteagudos, florestas subpolares, campos de flores silvestres e animais selvagens incluindo condores, guanacos, e, às vezes, até pumas. Cabanas estão disponíveis, mas geralmente estão lotadas (especialmente durante os meses do verão, quando o sol se põe às 10 horas da noite), e acampar é geralmente considerada a melhor opção.

3. Trilha de Laugavegurinn - Islândia

Flickr: beefortytwo / Creative Commons

Flickr: easysleazycheesy / Creative Commons

Flickr: easysleazycheesy / Creative Commons

 

Distância: 34 milhas (55 km), 4 dias.
Dificuldade: intermediária.
Quando ir: entre junho e setembro.

A trilha de Laugavegur pode ser a mais popular da Islândia, e por boas razões. É uma das poucas rotas que oferece natureza selvagem inalterada e pura, passando por vales desertos, cascatas, geleiras e paisagens vulcânicas que farão você pensar que, na realidade, poderia estar em um planeta diferente. Há rumores de ter sido o local que J R R Tolkien visitou antes de escrever a sua trilogia “O Senhor dos Anéis”, então pode ser o mais próximo que você chegará da Terra Média.

4. Trilha de Kalalau - Havaí, Estados Unidos

Flickr: karlsjohnson / Creative Commons

Flickr: screamingbrocoli / Creative Commons

Flickr: rickmccharles / Creative Commons

 

Distância: 22 milhas (36 km), dois a três dias.
Dificuldade: alta.
Quando ir: o ano todo.

Esta curta mas árdua trilha viaja ao longo da costa da ilha de Kauai, proporcionando o único acesso terrestre para o terreno acidentado. Ela começa simples (e caminhantes diurnos frequentemente vão viajar apenas os primeiros 3 km), mas se torna menos cuidada à medida que cruza as maiores correntes, através dos vales verdejantes ao longo das bordas estreitas. A batalha é recompensada pelas paisagens surreais, uma das quais é a Hanakoa Falls.

5. Caminho da Quenn Charlotte - Nova Zelândia

Dmitry Naumov / Shutterstock

Flickr: adrasha / Creative Commons

Flickr: devilcrayon / Creative Commons

 

Distância: 44 milhas (71 km), quatro dias.
Dificuldade: de fácil a moderado.
Quando ir: o ano todo.

Esta viagem ao sul da ilha entre o Malbourough Sounds é considerada uma das mais populares caminhadas da Nova Zelândia. O caminho tem uma boa manutenção, com apenas alguns pequenos morros, mas oferece vistas espetaculares da água cristalina e da linha do horizonte. É uma terra maravilhosa para aqueles interessados no verde da Nova Zelândia, oferecendo acesso à exuberante floresta de faias, palmeiras nikau e outras vegetações nativas.

6. Jornada de Jomolhari - Butão

Flickr: tlupic / Creative Commons

Flickr: coyote-agile / Creative Commons

Flickr: coyote-agile / Creative Commons

 

Distância: até 66 milhas (106 km), oito a doze dias.
Dificuldade: alta.
Quando ir: em abril, maio, outubro e novembro.

O Jomolhari (também Chomolhari) é uma montanha sagrada nos Himalaias que faz fronteira com o Tibete, China e Butão. A jornada, que geralmente requer um guia, passa por vales remotos e altas montanhas. Mas um dos locais mais extraordinários são da cultura Budista e do Himalaia: o Dzongs (fortes do Butão), museus, casas de pastores yak e o icônico Tiger’s Nest Monastery. É uma caminhada em alta altitude (máxima de 4.800 metros), então alguns dias para se acostumar com ela são normalmente necessários, apesar de as paisagens de tirar o fôlego fazerem tudo isso valer muito à pena.

7. Trilha Inca para Machu Picchu - Peru

Flickr: ewarwoowar / Creative Commons

Flickr: emmanueldyan / Creative Commons

Flickr: geoced / Creative Commons

 

Distância: 30 milhas (48 km), quatro dias.
Dificuldade: de moderada a alta.
Quando ir: entre maio e agosto.

A Trilha Inca é baseada em uma rede de estradas pavimentadas criada pelos antigos incas e abrange três rotas que se sobrepõe variando em extensão e nível de dificuldade (as rotas mais longas chegam a 3.900 metros de altura). Localizada nos Andes, a trilha passa por florestas com neblina, tundras alpinas, trabalhos em pedra pré-históricos, por sorte por algumas lhamas, e conduz finalmente às famosas ruínas de Machu Picchu. Como a trilha é um destino muito popular, o governo peruano estabeleceu limites rigorosos para o número de pessoas que podem caminhar por ela ao mesmo tempo e proibiu caminhadas independentes.

8. Parque Nacional Gates of the Arctic - Alasca, Estados Unidos

Flickr: paxson_woelber / Creative Commons

Flickr: kryptonic83 / Creative Commons

Flickr: alaskanps / Creative Commons

 

Distância: 13.238 milhas quadradas (34.287 km quadrados), enquanto suas provisões durarem.
Dificuldade: alta.
Quando ir: de junho a agosto.

A maior parte deste parque nacional fica sobre o norte do Círculo Ártico, fazendo dele o parque nacional mais ao norte dos Estados Unidos. É também o segundo maior parque com seus 20.900 km quadrados, englobando parte da Serra Brooks, da base das montanhas da tundra do Ártico, da floresta boreal e dos seis Wild e Scenic Rivers. Explorar esse terreno hostil é para os mochileiros mais corajosos e experientes. O parque não é acesível por estrada, e suas únicas trilhas foram feitas por pastores de veados, deixando quem acampa bastante dependente de mapas, bússolas e GPSs. O lado bom é que você dificilmente vai encontrar outros caminhantes - outros que não sejam, você sabe, ursos grisalhos, mamíferos, rapozas e veados.

9. Trilha de John Muir - Califórnia, Estados Unidos

Flickr: ifl / Creative Commons

Flickr: 23856328@N02 / Creative Commons

Flickr: 72213316@N00 / Creative Commons

 

Distância: 210 milhas (339 km), de 21 a 24 dias.
Dificuldade: moderada.
Quando ir: entre julho e outubro.

Esta rota ensolarada e sinuosa através da Sierra Nevada é considerada uma das melhores partes da Trilha do Pacific Crest. Ela vai do Vale do Yosemite ao cume do Monte Whitney, passando por alguns dos mais magníficos parques nacionais do país: Yosemite, Kings Canyon, Sequoia, John Muir Wilderness e Inyo e florestas nacionais Sierra. Viajando de norte a sul (uma escolha popular, já que a metade sul é geralmente menos habitada), a escalada total é de 14.000 metros.

10. O caminho Dingle - Irlanda

Flickr: oneeighteen / Creative Commons

Flickr: 13382424@N00 / Creative Commons

 

Distância: 112 milhas (179 km), nove dias.
Dificuldade: moderada.
Quando ir: o ano todo, apesar de que chuvas fortes e granizo podem ocorrer entre novembro e fevereiro.

A Irlanda tem mais de 30 trilhas de longa distância bem servidas, mas a diversidade da paisagem da Peninsula Dingle é o que a torna uma escolha especialmente extraordinária. O caminho vai de uma cidadezinha a outra, passando por praias douradas, penhascos escarpados, planícies áridas, florestas verdejantes, ruínas de pedras e campos mais verdes do que você jamais imaginou. Os caminhantes vão compartilhar a trilha com cavalos selvagens, cabras e ovelhas, e há ainda uma escalada bacana no Monte Brandon (1.000 metros).

11. A Trilha Long - Vermont, Estados Unidos

Flickr: scottmccracken / Creative Commons

Flickr: xo1 / Creative Commons

Flickr: wylief / Creative Commons

 

Distância: 273 milhas (438 km), de 26 a 30 dias.
Dificuldade: de moderada a alta.
Quando ir: entre maio e novembro.

A Trilha Long é a mais antiga trilha de longa distância dos Estados Unidos. Ela foi construída em 1912 e percorre a distância de Vermont. Ela está ao longo da principal cordilheira das Montanhas Green, cobrindo a maior parte de seus cumes, e coincide em um dado momento com a Trilha Appalachian. É uma trilha acidentada do interior do país, que passa por riachos, pântanos alpinos, florestas de madeira de lei, lagoas de águas cristalinas e muito verde. Também oferece cerca de 70 abrigos, embora alguns sejam bastante precários.

12. De Lukla ao acampamento base do Everest - Nepal

Flickr: makemydinner / Creative Commons

Flickr: makemydinner / Creative Commons

Flickr: makemydinner / Creative Commons

 

Distância: 70 milhas (113 km), 16 dias.
Dificuldade: moderada.
Quando ir: entre março e maio, entre setembro a dezembro.

Você não precisa ir ao cume do Monte Everest para absorver a sua absurda beleza. Esta jornada pelo distrito de Khumbu do Nepal até a base do acampamento é uma ótima forma de fazê-lo. O circuito lhe possibilita visualizar quatro dos maiores picos do mundo (Everest, Lhotse, Makalu e Cho Oyu) e oferece uma combinação de visita a pontos turísticos naturais e culturais, levando-o por geleiras, rios, pontes, rodas de oração, monastérios Budistas e paradas à noite em cidadezinhas amigáveis Sherpa. Contudo, tenha em mente que apesar de não estar escalando a montanha, a subida para a base dela (5.180 metros acima do nível do mar) é de em torno de 2.400 metros.

13. O caminho Overland - Austrália

Flickr: blackbeltjones / Creative Commons

Flickr: 17665235@N03 / Creative Commons

Flickr: eldh / Creative Commons

 

Distância: 50 milhas (82 km), cinco a seis dias.
Dificuldade: de fácil a moderada.
Quando ir: entre outubro e maio.

O caminho Overland é um dos mais famosos da Austrália, tornando a Reserva Natural da Tasmânia um pouco mais acessível. O caminho se estende da Montanha Cradle até o Lago St. Clair (o lago de água doce mais profundo da Austrália), passando por rios selvagens, planícies alpinas, lagos claros, floresta tropical temperada e montanhas escarpadas. A trilha é bem definida, incluindo alguns calçadões em boa condição e também abrigos. Para aqueles que querem um desafio maior, podem ir para um dos diversos caminhos alternativos, incluindo uma subida ao cume do Monte Ossa, o pico mais alto da Tasmânia.

14. Cinque Terre - Itália

Flickr: evocateur / Creative Commons

Flickr: valkyrieh116 / Creative Commons

Flickr: recious / Creative Commons

 

Distância: 7,5 milhas (12 km), um a dois dias.
Dificuldade: fácil.
Quando ir: em abril, maio, setembro e outubro.

Cinque Terre, cuja tradução literal é “cinco terras”, se refere às cinco pequenas cidadezinhas litorâneas de Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso. As cidadezinhas são conectadas por uma rede de trilhas individuais, sendo a mais popular a de Sentiero Azzurro: uma trilha alta em sua maioria, que passa por colinas, vinhedos e bosques de oliveira, ao longo da costa e de seus penhascos. A viagem pode ser feita em uma tarde, mas vale a pena aproveitar e saborear cada parada que é única. Para aqueles que estão procurando por um desafio um pouco maior (ou por algo mais retirado), podem fazer uma das escaladas menos populares e mais difíceis.

15. Gunung Rinjani - Indonésia

Flickr: borderlessworld / Creative Commons

Flickr: stelzert / Creative Commons

Flickr: fadilfb / Creative Commons

 

Distância: 14 milhas (22 km), três a quatro dias.
Dificuldade: alta.
Quando ir: entre maio e outubro.

Apenas os mais corajosos enfrentam o Monte Rinjani, um vulcão ativo e o segundo mais alto da Indonésia, com 3.657 metros. Para chegar ao cume é importante ter um guia (e ainda assim, às vezes, é considerado muito inseguro). Mas sempre existe uma alternativa, a rota menos cansativa que leva até a borda da cratera, que propicia a melhor vista do “cone” - que se parece com um vulcão em miniatura cercado por um lago. De qualquer maneira, a viagem leva você a fontes termais, cavernas, subidas íngremes, possíveis interações com macacos e noites de céus estrelados quase que irreais.

16. Travessia North Drakensberg - África do Sul

Flickr: martie1swart / Creative Commons

Flickr: rickmccharles / Creative Commons

Flickr: arnolouise / Creative Commons

Flickr: rachelf2sea / Creative Commons

 

Distância: 41 milhas (65 km), cinco a seis dias.
Dificuldade: alta.
Quando ir: entre março e maio.

A Drakensberg é a serra mais alta da África do Sul (chegando a praticamente 2.743 mil metros de altura), e sua caminhada não segue uma trilha definida. Desde a escalada inicial, por escadas de corrente precárias, ao glorioso anfiteatro (um muro de pedras de 4,82 km de comprimento e quase 1.000 metros de altura), e, finalmente, até o pico da Catedral, a caminhada passa por um planalto árido, penhascos de basalto vermelho, cavernas enormes e claustrofóbicas (algumas decoradas com desenhos pré-históricos), cascatas e cachoeiras e por cabanas de pastores Sotho.

Check out more articles on BuzzFeed.com!

Este post foi traduzido por usuarios de Duolingo, um serviço que ajuda estudantes de idiomas praticar suas hablidades traduzindo textos do dia-a-dia para suas línguas maternas. Queremos continuar crescendo e melhorando o nosso conteúdo. Se você tiver sugestões ou comentários envie-nos um email ao brasil@buzzfeed.com. Obrigado!

Buzzing agora